Faixa com um minuto de silêncio chega ao top de música austríaco


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O conceito tem tanto de intenso como de desconcertante. Uma faixa, um minuto, silêncio. “Schweigeminute” (“Minuto de Silêncio” em português) é a materialização do descontentamento do artista austríaco Raoul Haspel face às políticas governamentais do país no que diz respeito aos refugiados.

A iniciativa – que está disponível no iTunes e que entretanto chegou ao número 2 no top de vendas do país – acontece em resposta ao alerta da Amnistia Internacional. Em causa estão as condições consideradas “desumanas” em que aproximadamente 1500 pessoas vivem, forçadas a dormir ao relento, num local sem assistência médica. Estamos a falar do campo de refugiados de Traiskirchen, a sul da capital Viena.

Sobre o projecto, Haspel explica: “Quando há um conflito, ou uma situação extrema, quem repete os mesmos argumentos aumenta apenas o tom e a intensidade da sua voz, e normalmente não ajuda muito a resolver o problema. Mas quem permanece calmo, quem reflete mais, tem silêncio suficiente para ouvir a sua voz interior e, normalmente, essas pessoas ajudam muito mais.”

schweigeminute_02

O preço no iTunes é de 99 cêntimos, sendo que o montante angariado com a venda reverterá na íntegra para auxiliar o campo de refugiados. A faixa encontra-se também disponível na Amazon e na Google Play Store (onde está sujeita, no entanto, à cobrança de comissão de venda). Para contornar esta situação, Raoul Hospel garante que, caso não haja mudança na política de preços, pagará a diferença por sua conta.

Apesar da questão, “Schweigeminute” tem como objectivo imediato ser uma das 40 músicas mais vendidas na Áustria esta semana. A causa tem ganho relevância nos últimos dias, o que se traduz num lucro potencial, ainda que o artista não queira, para já, avançar com números referentes ao valor conseguido, segundo o The Verge.

À semelhança de outros países da União Europeia, a Áustria recebeu mais de 10 000 pedidos de asilo no primeiro trimestre de 2015. Os dados surgem em consequência do agravamento do conflito na Síria e da crise humanitária no Mediterrâneo.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!