Em que pé está a máquina que transforma fezes em água? Muito bem, diz Bill Gates


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Esqueçam a Ásia: o continente do século XXI é África.

A frase é controversa, para dizer o menos. Quem trabalhou em África recusa liminarmente a ideia, baseado no conhecimento do modus operandi dos africanos.

Mas tudo muda — é uma questão da alavanca certa, do estímulo certo. E os estímulos e inputs em África são muitos, são cada vez mais e estão a aumentar. Há a pressão local — uma geração que mandou os filhos estudar fora e estes começam a regressar como advogados, engenheiros, empreendedores — e há as pressões externas.

Plural: não é só a China, apesar do investimento brutal chinês numa grande parte de África, um movimento que se iniciou pouco depois do último estertor do colonialismo europeu, em Angola e Moçambique, e da pacificação da África do Sul.

Convém não esquecer que há cada vez mais recursos exteriores em África. De pessoas — técnicos de todos os tipos, empresários de todos os ramos — ao capital, o maior agente transformador.

E nem todas a pressões e estímulos são, como nos séculos anteriores, motivados pela pura ganância da exploração dos recursos do continente. A ganância está hoje mitigada pela civilização, pelas leis e pela concorrência global. Já se lhe pode chamar “atividade económica”.

E nem toda é orientada ao lucro sob a forma de dinheiro ou poder. Entra em cena o homem mais rico do mundo.

Bill Gates é uma das pessoas que desafia a lógica dos descrentes em África. Um dos projetos mais consistentes e interessantes por ele financiado consiste numa forma de tratar esgotos.

Por um lado, uma sociedade não se pode desenvolver sem tratamento de esgotos. Por outro, por várias razões, a primeira das quais a pressão demográfica (África ultrapassará a Ásia em número de habitantes na segunda metade do século), é simplesmente impossível resolver o problema com o tipo de soluções adotadas — ao longo de séculos — na Europa e Américas.

Só em Dakar, capital do Senegal, 1,2 milhões de pessoas não estão conectados à rede de esgotos. Os moradores são forçados a despejar os resíduos nos seus próprios poços, que esvaziam manualmente.

É realmente perigoso por causa da rápida propagação de agentes patogénicos. Uma maneira melhor é transferir mecanicamente os resíduos por caminhão e tubos para estações de tratamento.

As estações da cidade foram parcialmente substituída pelo processador Omni, no âmbito do projecto-piloto da Fundação Bill e Melinda Gates: cerca de um terço dos resíduos humanos na cidade é processado por essas máquinas, tornando-os não só a água mas também a electricidade e cinzas.

Evidentemente, e sem dúvida em primeiro plano, estará a preocupação humanitária de Gates.

Mas quanto maior for o sucesso do Omni nesta experiência piloto, tanto mais rápida será a sua distribuição pelo Senegal e outros países africanos. Aumentando as oportunidades para África crescer.

Texto: Paulo Querido

Aprofundar

Update: What Ever Happened to the Machine That Turns Feces Into Water? (Bill Gates): The next version of the machine will burn most types of garbage in addition to human waste, and it will be easier to maintain. We also think we have a good business plan. Janicki is discussing the sale of the first JOP to a Senegalese company, and they’re talking to potential buyers in wealthier countries too.

Un ambicioso proyecto de Bill Gates, capaz de salvar a África (RT): Bill Gates está ensayando su proyecto Omni Processor –la máquina que seca y quema excrementos produciendo electricidad y agua potable– en la capital de Senegal. El objetivo prioritario, señala el multimillonario, no es producir más agua, sino “mejorar dramaticamente saneamiento en las ciudades de los países pobres”.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.