Estes são os novos meninos bonitos da Samsung


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Lançar novos smartphones é algo bastante comum na política de produtos da Samsung, mas não é todos os dias que a marca coreana apresenta aqueles que são considerados os meninos bonitos da família. Nesta quinta-feira, foram confirmados alguns dos rumores das últimas semanas com o anúncio dos novos Samsung Galaxy Note 5 e Samsung Galaxy S6 Edge+. Os nomes são grandes, mas os equipamentos também.

Não há propriamente muitas diferenças que se possam apontar em termos de especificações internas. Ambos os smartphones têm 4 GB de memória RAM, um processador octa-core (quatro núcleos de 2,1 GHz e outros quatro de 1,5 GHz) de 64 bits, uma câmara traseira de 16 megapíxeis – capaz de filmar em 4K – e uma frontal de 5 megapíxeis, ambas com uma abertura de F1.9.

A bateria em ambos os smartphones é de três mil mAh, um acrescento de quase 500 mAh em relação ao Galaxy S6 mas uma redução de 6 mAh em relação ao Note 4. As opções de carregamento sem fios, bem como o Fast Charging, estão também incluídas.

Se descartarmos as curvas dos ecrã do Edge+, os dois telemóveis são também iguais nesse requisito. A tecnologia Quad HD Super AMOLED está presente em todas as 5,7 polegadas, com a resolução de 2560 x 1440 – exatamente igual ao Note 4 -, o que, feitas as contas, totaliza 518 píxeis por polegada.

Então, no que diferem estes dois equipamentos? Tecnicamente, existem apenas os dois grandes detalhes caraterísticos das linhas Note e Edge que nos permite distinguir um do outro: o S6 Edge+, uma versão alargada em relação ao S6 Edge no que toca ao ecrã e à memória RAM, tem uma tela curva em ambos os lados, enquanto o Note 5 vem acompanhado da caneta stylus de quinta geração, que traz capacidades melhoradas para ajudar no multitasking.

Os dois equipamentos estiveram ao serviço dos jornalistas presentes no evento de apresentação mas ainda não há nenhuma data concreta, nem preços, para a sua chegada a Portugal.

 

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!