WTF. As “ubers” são as novas “amazons”


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Tim O’Reilly chama-lhe a economia WTF. Serve tanto para aquilo que primeiro lhe veio à cabeça, leitor(a), como para What’s The Future?

No lançamento de um evento da O’Reilly, a ter lugar em São Francisco em 12 e 13 de novembro, Tim O’Reilly publicou alguns posts na Medium. No mais recente deles teoriza sobre a mudança enorme que o software e a conetividade estão a provocar na economia.

Uma maneira de pensar sobre a nova geração de empresas on-demand, como a Uber, a Lyft, e a Airbnb, é que elas sãoplataformas em rede para comercializar serviços no mundo físico. Estão a trazer para o século 21 as indústrias fragmentadas, da mesma forma que o comércio eletrónico transformou o retalho.

Texto: Paulo Querido
Foto: Flickr

Aprofundar

Networks and the Nature of the Firm (Tim O’Reilly/Medium): The discussion around companies like Uber and Airbnb is too narrow. The issue isn’t just employment, but a huge economic shift led by software and connectedness.

The WTF Economy (Tim O’Reilly/Medium): We need a focused, high-level conversation about the deep ways in which computers and their ilk are transforming how we do business, how we work, and how we live. Just about everyone’s asking WTF? (“What the F***?” but also, more charitably “What’s the future?”).

What’s the future of work? (site da conferência): What do on-demand services, AI, and the $15 minimum wage movement have in common? They are telling us, loud and clear, that we’re in for massive changes in work, business, and the economy.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.