Disclosure: de 2010 a 2015 o que vimos e ouvimos dos irmãos Lawrence


irmãos Lawrence

Falar de Disclosure é falar da progressão da música no geral. De remixes a singles (como o novo “Jaded”), este é o guia para ficares a conhecer tudo o que te pode ter escapado do duo britânico.

2010. É aqui que tudo começa para os irmãos Guy e Howard Lawrence. Um duo tímido de Surrey, em Inglaterra, que sabia fazer música como poucos sabem. Influenciados decisivamente pelo movimento U.K Garage, que varreu o país de sua majestade por essa altura, Joy Orbison e Julio Bashmore eram nomes obrigatórios na linha da frente de devoção dos rapazes.

O primeiro trabalho, “Offline Dexterity“, apresenta-se fresco, com um lado B, “Street Light Chronicle“, mas o feedback foi pouco para apelar a mais trabalho. Quase um ano depois, a 13 de Junho de 2011, com 16 e 19 anos, lançam Carnival, o primeiro EP. Nesta tiragem estavam, além da que constitui o nome, quatro outras faixas. “Blue You“, “I Love… That You Know“, “Just Your Type” e “My Intention Is War!

O hype começa a formar-se, os ouvidos a acompanhar e a passada dos britânicos alarga consideravelmente.  2011 continua a ser um bom ano e os Disclosure acabam por seguir na faixa dos remixes, sendo responsáveis por versões absolutamente fantásticas de “Coconuts” de Jack Dixon ou “Daddy” de Emeli Sandé e Naughty Boy.

Chegamos a 2012 e os Lawrence trazem consigo o primeiro radio worth hit, “Tenderly / Flow“. Estava dado o mote para começar a produzir a sério. E acontece, finalmente, a 1 de Junho de 2012 com o antecessor de Settle, The Face EP. O sector mainstream do duo arranca com este trabalho de onde ficámos a conhecer “Boiling“, “What’s In Your Head“, “Control” e “Lividup“.

disclosuretheface

Ainda nesse ano, “Please Don’t Turn Me On“, o remix de Artful Dodger, mostrava que qualidade não lhes faltava. Preparados para dar o salto, a 8 de Outubro, “Latch” entra em rodagem, antecipando o lançamento do álbum de estreia. Já em 2013, “White Noise“, “You & Me“, “F For You“, “Help Me Lose My Mind” e “Voices” fizeram de Settle o sucesso estrondoso em que se tornou. Não satisfeitos, ainda tiveram tempo, mais uma vez com ajuda de Sam Smith, para o extraordinário remix de “Need U 100%” de Duke Dumont.

De malas às costas e com um som bastante diferente daquele que deixaram pelos clubs britânicos, Guy e Howard lançaram-se numa tour promocional que seria intervalada por alguns salpicos frescos como os vídeos de “When A Fire Starts to Burn“, “Grab Her” ou a faixa “Apollo” (que se aproxima bastante das influências originais do duo).

Finalmente, a 7 de Junho deste ano, e já com “Bang That” cá fora (faixa incluída na versão iTunes do álbum), os Disclosure anunciaram o seu segundo LP, Caracal.

A notícia entusiasmou fãs e crítica de tal forma que é já um dos álbuns mais esperados do ano. Bastante fiéis ao estilo que cultivaram nos trabalhos anteriores, relativamente a ritmos e colaborações, Caracal teve como cartão de visita oficial “Holding On“, a faixa que conta com vocals de Gregory Porter. Contudo, é fácil reconhecer a identidade dos Lawrence por baixo do beat.

De single em single, ficámos até agora a conhecer deste novo álbum “Omen” com Sam Smith, “Willing And Able” com participação de Kwabs, “Hourglass”, um dos maiores hits apresentados até agora, com colaboração da norte americana Lion Babe e, finalmente, “Jaded”, a faixa dada a conhecer ontem através do YouTube.

Seis singles depois, os Disclosure parecem apostar numa sonoridade que lhes é confortável, nunca perdendo qualidade nem aquele efeito surpresa que acontece em cada novo lançamento.

Foto: Manuel Casanova/Shifter