A economia da partilha morreu – e fomos nós que a matámos


a economia da partilha morreu
 

Há 5 anos toda a gente se excitou com a ideia de usar a tecnologia para situações de poupança e uso racional como pedir um berbequim emprestado. Surgia a sharing economy — a economia da partilha, conceito vagamente revolucionário que prometia diminuir o consumismo, diminuir a pega ecológica, racionalizar custos e poupar.

Surgiram dezenas de sites, serviços e apps mas a maioria depressa desapareceu — e com ela o investimento de milhões de crentes na religião das startups. Enquantosites como o Airbnb e Uber se tornaram empresas gigantes, a plataforma sobre a qual gostaríamos de compartilhar os nossos berbequins com os vizinhos nunca descolou.

Em vez de plataformas que inspiram a interação humana e geram menos resíduos, o que surgiu foram as mega-empresas que se encaixaram à bruta nessa visão de partilha bairrista.

A economia da partilha cresceu para incluir uma mistura variada de empresas com pouco ou nada em comum. A Groupon “compartilha” a ação coletiva de dar dicas sobre boas compras. A Kickstarter “compartilha” uma meta de financiamento semelhante entre muitos contribuidores. Sitescomo o Airbnb “compartilha” casas, mas cobradas por noite, como um hotel. Plataformas como a Uber e a Handy “compartilham” o trabalho dos contratantes independentes pagos à hora ou ao quilómetro. Até a Netflix ainda conseguiu cair sob o guarda-chuva da economia da partilha!

Ou seja, o belíssimo marketing do altruísmo depressa destapou as forças do puro capitalismo em ação. • Paulo Querido

Aprofundar

The “Sharing Economy” Is Dead, and We Killed It (Sarah Kessler/Fast Company): It was a beautiful idea that struck hard, but when it died, nobody seemed to notice (some publications continued to cite SnapGoods, for instance, a year after it shut down). And nobody seemed to ask the question of how an idea that everybody loved so much, an idea that made so much sense on a practical and social level, morphed into the pure capitalism that it is today.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.