Lisboa ou Amesterdão? Quem vai receber o Web Summit 2016?


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A corrida está quase no fim: Lisboa é uma das duas finalistas para receber a edição de 2016 do Web Summit, uma das mais importantes conferências europeias de tecnologia, empreendedorismo e inovação. O duelo é com Amesterdão.

Lisboa ou Amesterdão? A organização do Web Summit procura uma nova casa para o evento, mas está indecisa ainda. O forte posicionamento turístico, a qualidade da oferta de infraestruturas e serviços e a relevância do seu ecossistema empreendedor reforçam a candidatura da capital portuguesa.

Em comunicado, Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, acredita que a candidatura é um passo seguro “na consolidação da cidade como palco preferencial” para a realização de grandes eventos. “Lisboa não é uma startup city por acaso. Lisboa sabe receber, sabe acolher. E é por isso que se candidata à organização deste encontro. Lisboa é cada vez mais uma cidade aberta ao mundo, também digital”, afirma o autarca.

São o Turismo de Portugal, a Associação Turismo de Lisboa e a AICEP que, com o apoio do Governo português e da Câmara Municipal de Lisboa, estão a promover a candidatura da nossa cidade à realização do Web Summit, cuja edição de 2015 vai acontecer em Dublin.

Se Lisboa vencer a corrida, será constituída uma equipa especial, liderada pela ATL, para apoiar a organização do evento, que recebe anualmente 20 mil participantes.

Entretanto, o portal português Ship, ligado ao ecossistema das start-ups, lançou um movimento online de apoio à candidatura de Lisboa. Através da hashtag #LXwebsummit16, podes tweetar (ou postar no Facebook) porque achas que a cidade portuguesa deve ganhar.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!