Shell desiste de explorar petróleo no Ártico


Shell petróleo no Ártico
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

São óptimas notícias para a Natureza. Depois de anos de polémica com ambientalistas e o Governo norte-americano, a Shell anunciou esta segunda-feira que desistiu de explorar petróleo no Ártico. Embora tenha encontrado gás e petróleo num poço exploratório ao largo do Alasca, as quantidades não são suficientes para a sua exploração comercial.

Apesar de, em público, a empresa anglo-holandesa ter sublinhado repetidamente o enorme potencial do Alasca em hidrocarbonetos, não pôde ficar indiferente à onda de críticas que recebeu, pelo receio de acidentes num ambiente frágil e praticamente intocado, que pertence a baleias, morsas e ursos polares.

Na verdade, segundo os ambientalistas, seria muito complicado limpar a poluição deixada por um eventual derrame de petróleo. Por um lado, estamos a falar de condições inóspitas, como extremo frio, parte do ano às escuras e sob permanente riscos à navegação. Por outro lado, as águas frias não permitem a proliferação de bactérias que naturalmente degradam os hidrocarbonetos. Há ainda a calota polar que cobre a água, tornando difícil chegar aos hidrocarbonetos.

No entanto, na decisão da Shell, foram os fracos resultados, o elevado custo do projecto e as dificuldades regulatórias para o levar adiante que mais pesaram. A tudo isso juntam-se o preço actual do barril de crude: cerca de 50 dólares. Desde 2007, a petrolífera investiu 7 mil milhões de dólares no Ártico e a desistência agora anunciada vai abrir um buraco de 4,1 mil milhões nas contas. Todavia, a Shell continua a considerar aquela região petrolífera como estratégica para o Estados Unidos e para o Alasca.

A Shell tinha apostado fortemente no seu projecto de perfuração da região acima do Círculo Polar Ártico – uma região que, segundo um relatório de 2008 do United States Geological Survey contém 13% das reservas mundiais não descobertas de petróleo e 30% das reservas não descobertas de gás natural.

Foi em Julho deste ano que a Shell arrancou com as explorações no Alaska, que previa continuar durante dois anos. A autorização chegou do Governo de Barack Obama e foi alvo de muitas críticas. Vários grupos ambientalistas protestaram contra a decisão da empresa e activistas da Greenpeace ocuparam mesmo as plataformas de perfuração da Shell.

Podes ler mais sobre este assunto neste artigo do The Guardian.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.