A fotografia que se tornou símbolo da crise de refugiados


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

A fotógrafa Nilüfer Demir falou sobre o momento em que disparou a imagem que viria a comover o mundo, mostrando uma criança síria sem vida, cujo corpo deu à costa na Turquia.

Demir fez a fotografia a 2 de Setembro, pelas seis da manhã, em Akyarlar, costa de Bodrum, na província de Muğla, onde corpos de migrantes deram à costa após o naufrágio de dois barcos insufláveis.“Estávamos a cobrir a transição ilegal de migrantes para a ilha grega de Kos da costa de Bodrum. A 2 de Setembro, estava de serviço e também fotografei e filmei um grupo de migrantes paquistaneses numa tentativa de chegar à Grécia. Enquanto assistíamos a esta tragédia, de repente, reparámos nos corpos deitados, já sem vida. Percebemos que pertenciam a crianças. Estávamos chocados, ficámos tristes por eles. A melhor coisa a fazer era dar voz a esta tragédia”, diz Nilüfer Demir. “Aylan Kurdi, de três anos, estava deitado de cabeça para baixo e sem vida, na sua t-shirt vermelha e calções azul-escuros dobrados até à cintura. A única coisa que eu podia fazer era com que o seu apelo fosse ouvido. Naquele momento, acreditei que seria capaz de o fazer ao disparar o obturador da minha máquina e tirei esta fotografia”, diz à Doğan Haber Ajansi (Dogan News Agency).

fotorapaznilüferdemir_02

Explica também como reparou noutra criança, o irmão de Aylan Kurdi, Galip, no chão sem colete salva-vidas, como os restantes migrantes. “Galip estava deitado 100 metros à frente do seu irmão. Reparei que não tinham coletes salva-vidas, quaisquer braçadeiras, algo que os ajudasse a flutuar na água. Esta imagem estava a mostrar quão dramático o acidente foi”, acrescentou.

Pelo menos 12 pessoas morreram afogadas junto à costa da Turquia enquanto tentavam alcançar solo europeu. Segundo os meios de comunicação turcos, 5 eram crianças. Esta fotografia percorreu o mundo e tornou-se o símbolo da crise de refugiados.

Nilüfer Demir está há anos a cobrir a crise de refugiados em Bodrum para a agência turca Doğan Haber Ajansi e diz que não podia fazer mais nada a não ser o seu trabalho, de jornalista. Demir e os seus colegas repórteres da DHA, que se encontram na mesma região, estão a lutar por trazer o problema da transição ilegal de migrantes para a agenda pública há anos. A fotógrafa afirma que as migrações escalaram nos últimos 2-3 meses, especialmente em Turgutreis e Akyarlar.

“Já assisti e fotografei muitos acidentes de migrantes desde 2003 nesta região, as suas mortes, o seu drama. Espero que, a partir de hoje, isto mude. Centenas, até milhares de migrantes afluem a Bodrum, porque a ilha de Kos está apenas a 4 milhas (6.437376km). Os migrantes tentam chegar à Grécia e depois outros países europeus em barcos, normalmente barcos insufláveis”, acrescentou, apelando para que a crise de refugiados seja discutida na agenda pública.

Os repórteres afirmam que este problema ultrapassa as fronteiras da Turquia e se tornou um problema internacional, enquanto que Bodrum, em Mugla, continua um ponto de transição para os refugiados que tentam chegar à Europa.

Neste momento, a plataforma alemã Refugees Welcome junta-se à causa para tentar acolher refugiados de todo o mundo.

Bu video Adobe Flash Player’ın son sürümünü gerektirmektedir.

Adobe Flash Player'ın son sürümünü indirin.

 


Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.