Danny Boyle começou a trabalhar num filme sobre David Bowie (mas há um problema)


filme sobre David Bowie
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O realizador Danny Boyle, que tem agora o seu filme Steve Jobs no cinema, foi convidado de honra no podcast de entrevistas cinematográficas Happy Sad Confused, da autoria de Josh Horowitz.

Boyle falou precisamente sobre Steve Jobs, mas a parte mais interessante da entrevista é a discussão sobre o reconhecido desejo de Boyle de levar uma adaptação da vida de David Bowie ao cinema. No podcast de quase uma hora, Boyle revelou que quase tudo está pronto para avançar com este projecto, inclusive que o filme já tem guião, escrito por Frank Cottrell Boyce (responsável pela escrita de filmes como Millions ou Pandaemonium).

Em 2012, Danny Boyle e Cottrell Boyce trabalharam juntos na Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Londres para a concretização do filme inaugural, que se tornou viral por mostrar a Rainha Elisabeth II numa paródia aos filmes de James Bond. Sobre esse filme, Boyle confessou que se encontrou em Nova Iorque com David Bowie para discutir a sua participação no filme. “Fui vê-lo porque queria que ele aparecesse. Foi muito importante para mim porque ele é um dos meus heróis pessoais. Não fiquei nervoso a entrevistar Queen, mas só de conhecer David Bowie, fiquei!”, confessou o realizador, lamentando: “ele não quis fazer parte do projecto, mas ainda adorava fazer qualquer coisa com ele”.

Sobre o ainda possível filme sobre a vida do camaleão musical, Boyle diz que “tem um guião fantástico. É uma espécie de musical, mas não conseguimos ainda obter os direitos para utilizar as músicas de David Bowie”. O realizador diz também que não faz parte dos planos dele seguir em frente com o projecto sem conseguir obter esses direitos: “não quero entrar na onda de Velvet Goldmine, onde não puderam usar músicas de outros artistas e tiveram dar uma lógica ficcional às coisas. Por isso pusemos o projecto de parte por enquanto”.

Sendo que um musical é um projecto diferente para Boyle, mas que sempre quis fazer, ele também deixa esperança a quem não gosta do género: “É um musical mas não é. É uma peça muito bonita, um filme com uma carga musical pesada, mas não um musical tradicional. Adorava fazer este filme. Espero que um dia possamos voltar a ele”. De todas as formas, parece que o selo de aprovação de David Bowie é essencial para que o projecto ande para a frente.

Até lá, Danny Boyle tem Steve Jobs nos cinemas, que até pela sua banda sonora electrónica da autoria de Daniel Pemberton está a receber boas críticas, e esperamos impacientemente pela sequela de Trainspotting!

Podes ouvir a conversa de Danny Boyle e Josh horowitz na íntegra aqui:

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!