Father John Misty explicou, finalmente, a história por detrás das covers de Taylor Swift


historia por detras das covers de taylor swift
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Está resolvido o mistério. Joshua Tillman aproveitou o concerto que tinha no Kentucky para uma paragem na WFPK Radio Louisville onde abordou uma série de temas, além de tocar algumas canções. O vídeo de “The Night Joshua Tillman Came to Our Apartment“, o novo single “The Memo” e as covers de Taylor Swift – “Blank Space” e “Welcome To New York” – foram assuntos discutidos.

Segundo o músico, as versões alternativas dos hits de Swift surgiram num espaço de cerca de uma hora, durante uma visita ao escritório da sua manager, que, por sua vez, tinha o álbum 1989 a rodar. Tillman explicou que nunca tinha ouvido os temas de Taylor Swift até àquele dia, apesar de reconhecer “tenho a certeza que ia a caminhar por uma Cinnabon [cadeia de lojas norte americana] ou qualquer coisa assim e o ouvi [ao álbum].”

Depois de gravar os covers, versão “Velvet Underground”, e de fazer o upload, F.J.M diz ter ficado espantado com a imensa popularidade das músicas: “quando voltei para o autocarro naquela noite, o meu tour manager disse ‘é o top trend no Facebook! Está no USA Today!‘”. A reacção de Tillman ao sucesso foi menos entusiástica: “eu estava tipo ‘isto é ridiculo’, portanto tirei-as da net e pensei ‘acabou-se‘.”

Mas, a verdade é que o norte americano estava enganado. Vários media americanos como a Pitchfork, Consequence of Sound ou NME chegaram até ele, numa tentativa de procurar explicações sobre o porquê de ter retirado as faixas. Até o camp de Taylor Swift encorajou Tillman a repor as músicas.

Posto isto, o músico de Maryland decidiu brincar com toda a gente, lançando uma declaração bizarra onde garantia que tinha sido Lou Reed a pedir-lhe para retirar os covers. “Estava chateado com os media“, afirmou, “Foi tipo ‘estas pessoas publicam qualquer coisa’ por isso dei-lhes a coisa mais fraudulenta, absurda e impublicável – e eles publicaram-na!

Podes ouvir a entrevista na íntegra em baixo:

Tillman refere-se à questão dos covers na marca dos 26 minutos e aos 36:40 toca uma versão acústica de “Bored In The USA” do seu I Love You, Honeybear.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!