Forbes publica lista dos 10 youtubers que mais dinheiro ganharam no último ano


youtubers que mais dinheiro ganharam
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A Forbes pode ser já considerada uma especialista em listas de riqueza. Há bastante tempo que actualiza a sua lista de pessoas mais ricas do mundo ou de jovens mais ricos do mundo. Este ano, a revista norte-americana criou uma nova lista nos mesmos moldes, mas específica para quem cria conteúdo em vídeo: os 10 youtubers que mais facturam com seus canais.

E não facturam pouco. Estamos a falar de milhões e milhões de dólares. No topo da lista, nenhuma surpresa: o sueco PewDiePie – ou Felix Kjellberg, como é conhecido fora do YouTube. Com mais de 40 milhões de subscritores no seu canal, recebeu 12 milhões de dólares só no último ano, pelas contas da Forbes.

PewDiePie e outros youtubers não ganham apenas com publicidade nos seus vídeos. As largas audiências que conquistam online permitem-lhes facturar com programas na televisão, músicas ou livros, por exemplo.

Seguindo a lista, estão duas duplas que terão faturado 8,5 milhões de dólares cada: os irmãos Benny Fine e Rafi Fine, do canal Fine Brothers; e Ian Hecox e Anthony Padilla, do canal Smosh. A lista continua com:

  • a dançarina e violinista Lindsey Stirling (6 milhões de dólares)
  • os comediantes Rhett McLaughlin e Charles Lincoln Neal III e o seu canal Rhett & Link (4,5 milhões de dólares)
  • o canal de gaming KSI, do youtuber Olajide Olatunji (4,5 milhões de dólares)
  • Michelle Phan, autora de tutoriais sobre maquilhagem (3 milhões de dólares)
  • a comediante e cantora Lilly Singh, mais conhecida no YouTube como Superwoman (2,5 milhões de dólares)
  • a também comediante Roman Atwood (2,5 milhões de dólares)
  • Rosanna Pansino e os seus tutoriais de culinária (2,5 milhões de dólares)

Para chegar aos números, a Forbes levou em consideração o período de 12 meses a partir de junho de 2014. A estimativa dos ganhos de cada um foi feita baseada em fontes diversas, incluindo Nielsen e IMDB, e não leva em conta o que eles gastaram na produção e divulgação dos seus vídeos.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!