Activision compra criadora do ‘Candy Crush’ por 5,9 mil milhões de dólares


Candy Crush
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A Activision Blizzard, dona de jogos populares como o Guitar Hero, o Call of Duty ou o World of Warcraft, comprou a King Digital Entertainment, criadora do Candy Crush, um dos jogos móveis mais populares do mundo. O negócio está avaliado em 5,9 mil milhões de dólares.

A propósito deste anúncio, o CEO da King, Riccardo Zacconi, lembrou que a sua empresa criou uma das maiores redes de jogadores no Facebook e em dispositivos móveis, notando que os jogos da King tinham mais de 474 milhões de utilizadores activos no terceiro trimestre deste ano. Para além da saga de mega-sucesso Candy Crush, a King tem no seu portefólio duas centenas de jogos, dos quais se destacam os títulos Farm Heroes, Pet Rescue e Bubble Witch.

No âmbito deste negócio, a Activision vai pagar 18 dólares por cada acção da King, um valor inferior ao preço a que estava no mercado no final de Outubro. Numa nota de imprensa, o CEO da Activision, Bobby Kotick, referiu que “os jogos móveis são a oportunidade maior e de mais rápido crescimento para o entretenimento interactivo, e vamos ter uma das empresas mais bem-sucedidas do mundo de jogos móveis e as suas equipas talentosas a criarem grandes conteúdos para novos clientes, em novas geografias pelo mundo”.

A Activision é a criadora do Call of Duty e também de outros sucessos como o Destiny; é dona do World of Warcraft e do StarCraft, depois de uma fusão com a Blizzard em 2008. A Activision Blizzard tem estado até agora mais focado em títulos criados para consolas e PCs, mas esta aquisição multi-milionária da King, marca a entrada da empresa californiana na indústria dos jogos móveis.

A King, com sede em Dublin, Irlanda, está actualmente sobre pressão dos investidores para criar um novo mega-sucesso. Lançado em 2012, o Candy Crush permanece um sucesso para a empresa, a contar para um terço das suas receitas, mas tem perdido algum fôlego nos últimos meses. Com este negócio, “abrem-se novas oportunidades, oportunidades que não tínhamos antes”, disse o responsável da King.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!