Dois takes de Wim Wenders


Wim Wenders
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Genuinamente animado — até porque com Wenders não parece haver sorrisos postiços —, o realizador alemão regressou a Portugal para duas sessões de conversa: uma sobre O Estado das Coisas, rodado em Portugal no ano de 1982, outra relacionada com Asas do Desejo, clássico do cinema do século XX.

Partindo do defunto Texas Bar, local de rodagem wenderiana que deu lugar ao afamado Musicbox, traçou-se na primeira sessão um retrato do Portugal nos anos 80 — “completamente diferente dos dias de hoje” —, em que se podia cortar a barba num bar junto ao Cais do Sodré ou pernoitar num hotel abandonado por falta de orçamento.

Maravilhado por Sintra, agora irreconhecível aos olhos do realizador, Wim relatou alguns dos episódios mais caricatos por detrás do filme, como o da escassez de película preta e branca — que o trouxe a Portugal em auxílio de uma equipa local  — ou o da surpreendente permanência de Terrence Young durante as gravações na Praia Grande.

Segundo Wenders, o realizador dos primeiros filmes da saga James Bond estava “tão maravilhado” com o trabalho do diretor de fotografia Henri Alekan, que decidiu ficar em Portugal para acompanhar o seu trabalho mais de perto.

O vídeo da sessão pode ser visto aqui:

Em domingo escuro —  e 28 anos volvidos desde o lançamento de um dos maiores sucessos da sua filmografia —, Wim Wenders reuniu-se com Bruno Ganz em serão lotado no Medeia Monumental.

Numa sessão imperdível para cinéfilos e melómanos, narraram-se os dias de rodagem no Leste alemão, bem como a esquematização e execução das cenas gravadas com os Crime and The City Solution e Nick Cave — simples de rodar e particularmente especiais para Henri Alekan, que, no alto dos seus 76 anos, adiou a reforma para dirigir a fotografia de alguns videoclipes dos New Order depois de conhecer melhor a cena rock emergente.

A ausência de um guião e a economia no guarda-roupa foram dois dos temas chave que guiaram a conversa aberta e sem imposições de tempo — quarenta minutos com os grandes vultos do cinema sabem sempre a pouco — em que não faltou tempo para responder a questões do público e assinar DVDs à saída.

O vídeo da sessão pode ser visto aqui:

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!