Esta futura ponte de bicicletas em Copenhaga é surreal


bicicletas em Copenhaga
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Copenhaga é uma cidade de bicicletas. Muitas pessoas escolhem este meio para as suas deslocações diárias, até porque a infraestrutura da cidade assim o permite. Não há casa, prédio, restaurante ou loja que não tenha uma corrente imensa de bicicletas à porta. Existem ciclovias por toda a cidade e até existem parques de estacionamento enormes para estes veículos de duas rodas. Naturalmente que o facto de Copenhaga ser uma cidade plana ajuda à popularidade da bicicleta.

A capital dinamarquesa vai ganhar uma ponte pedestre e ciclável, suspensa a 65 metros da água. Em cada uma das pontas existirá uma torre. Uma delas, a Gate L, terá cafés e restaurantes, assim como um espaço público ao ar livre. A Gate M fará apenas uma ligação à cidade. As duas torres suspendem, com cabos, a ponte que parece estar interrompida no meio, onde as duas metades se encontram. Teoricamente, isso faz com que cada parte da ponte esteja alinhada com a sua torre, mas também é um pormenor bonito e algo que nunca seria feito com uma ponte rodoviária.

copenhagapontebicicleta_02

O projecto foi desenhado pelo arquitecto Stephen Holl em 2008, mas a sua construção está prevista arrancar em 2016/17. O atraso deve-se a questões económicas. Em 2010, o design da ponte foi destacada com um prestigiado Progressive Architecture Award.

Em Copenhaga, nenhuma casa pode estar a mais de 500 metros dos transportes públicos. Actualmente ir de um lado da baía para o outro requer um desvio de 2,2 km, o que coloca as casas recém-construídas nesta área fora desse intervalo.

copenhagapontebicicleta_03

copenhagapontebicicleta_04

O desenho desta possível futura ponte na Dinamarca parece absurdo e pouco prático, uma vez que são precisos elevadores em cada uma das torres para levar as pessoas e as bicicletas para cima. No entanto, a ponte vai estar num cais e é preciso que os navios entram e saiam do mesmo.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!