Quando o filme é melhor que o livro (e vice-versa)


filme é melhor que o livro
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Já nos aconteceu a todos, um livro que tínhamos lido ser adaptado ao cinema e o resultado ser uma decepção. É o mais comum, sendo que um livro consegue ser muito mais carregado de informação que um filme de uma hora e meia.

No final de contas, há que admitir que as comparações são escusadas e que haverá sempre diversas nuances de diferença entre a história contada no livro e aquela que é levada ao cinema. Contudo, esta não deixa de ser uma matéria interessante para ser estudada. Foi isso mesmo que o site FiveThirtyEight fez.

Comparando os 500 melhores filmes do IMDb baseados em livros com as pontuações dos mesmos livros no site Goodreads, o site analisou as melhores e as piores adaptações de livros ao grande ecrã.

Na tabela em baixo, vemos as adaptações de livros ao cinema que, em termos percentuais, foram melhores que os livros. Up In The Air, de Jason Reitman e com George Clooney, é um dos que mais se destaca, sendo considerado o filme com melhor adaptação ao cinema, tendo em conta a qualidade do livro. Clássicos como Apocalypse Now e Dr. Strangelove, assim como o recente Mr. Holmes também figuram no top 10.

livromelhorquefilme_02

O site analisou também o contrário: as adaptações mal conseguidas de livros verdadeiramente bons. A adaptação que podemos dizer que destruiu um livro muito bom (4,3 valores de um total de 5) foi a de Addicted, de 2014, protagonizado por William Levy. Na lista encontramos também nomes como Safe Haven, A Walk To Remember, Divergent ou até The Help.

livromelhorquefilme_03

Neste último gráfico vemos os outros casos: alguns filmes maus adaptados de livros maus, e filmes geniais adaptados também de livros geniais. A linha negra no gráfico significa o equilíbrio, ou seja um filme nem melhor nem pior que o seu livro originário.

livromelhorquefilme_04

Se no extremo negativo temos o livro/filme Battlefield Earth, de John Travolta, baseado no livro de L. Ron Hubbard, no oposto temos o clássico de Mario Puzo, The Godfather, que originou a obra-prima cinematográfica homónima, realizado por Francis Ford Coppola e com actores como Al Pacino e Marlon Brando. Um estudo que nos mostra como as adaptações não são, de todo, uma ciência exacta.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!