Trabalhar de borla? É hora de dizer não ao “Spec”


Trabalhar de borla
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Já imaginaste o quão ridículo seria chegares a um restaurante e dizeres ao empregado: “primeiro gostaria de pedir o prato, mas só depois de saber se gosto, ou não, é que decido se pago”?

Parece ridículo, não parece? Mas é basicamente isto que acontece com os profissionais de comunicação, design e outras profissões criativas.

Chama-se Spec work, ou seja trabalho especulativo, uma forma simpática de te pedirem para trabalhares de borla. Obviamente este fenómeno já provocou sentimentos de revolta em profissionais de todo o mundo, mas a empresa canadiana Zulu Alpha Kilo lançou no início de novembro um vídeo que ilustra melhor que nunca o quão absurda é esta situação com a qual os profissionais criativos se deparam constantemente.

“It’s time we all said no to spec” é a mensagem final deste vídeo que mostra um conjunto de reacções incríveis de pessoas (não foram utilizados actores) de outras indústrias quando abordadas sobre a possibilidade fazerem um Spec work.

Esta produção é não só a participação da empresa canadiana para o evento Strategy Magazine’s Annual Agency of the Year, onde uma série de agências deverão apresentar vídeos cómicos sobre a profissão, mas também uma chamada de atenção a todos os profissionais criativos para que comecem a recusar este tipo exploração.

Texto: Ana Carvalho
Editado por: Miguel Mestre

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!