No Brasil, há comentários racistas que perseguem os comentadores


comentários racistas
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Uma nova campanha no Brasil, intitulada “Racismo Virtual”, está a colocar comentários racistas do Facebook em outdoors. A ideia não é expor os autores, mas educar as pessoas para que percebam que as suas palavras têm um impacto real.

A história começa a 3 de Julho deste ano, justamente o Dia Nacional de Combate à Discriminação Racial, no Brasil. Nesse dia, algumas pessoas publicaram na página do Jornal Nacional no Facebook  comentários racistas contra a apresentadora Maria Júlia Coutinho. Em resposta, muitos brasileiros manifestaram a sua indignação e o repúdio para com tais comentários.

Mas a organização não governamental Criola não quis que o assunto morresse na Internet e, em conjunto com a agência de publicidade W3haus, mapeou a localização dos comentários contra a jornalista e colocou essas mesmas injúrias nos locais onde as mesmas foram escritas, isto é, nas cidades Porto Alegre, Americana, Rio de Janeiro, Feira de Santana, Recife e Vila Velha.

racismovirtual_02

racismovirtual_03

“Omitimos nomes e rostos dos autores porque não temos intenção de expor ninguém. Queremos apenas conscientizar  as pessoas para que futuramente elas reflitam sobre as consequências antes de postar comentários racistas”, explica a Criola no site racismovirtual.com.br. “Será que um comentário na internet causa menos danos que uma ofensa direta? Para quem posta, pode até ser. Mas para quem sofre, o preconceito nunca é só virtual.”

racismovirtual_04

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!