“Hotline Bling” pela voz de quem não canta


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Desde que o videoclip de “Hotline Bling” se mostrou ao público, que instantaneamente se tornou num marco da cultura pop deste ano. A coreografia meio atrapalhada que Drake dança durante os quase cinco minutos de música, foi completamente esmiuçada enquanto fonte de memes por toda a Internet. A aliar-se a isso, é uma das músicas mais catchy de 2015 da qual já deves ter visto dezenas de covers.

Mas o entretenimento também vive do inesperado e dessa condição resultam, por vezes, cruzamentos de universos completamente distintos. As melhores versões do último single de Drake são produto disso mesmo. Da política com a música e da representação com a música.

Aliás, o casamento da política com a música não constitui grande novidade. Desde 2013 que o canal baracksdubs tem elevado o Presidente dos Estados Unido a estrela pop. Depois de fazer o POTUS reinterpretar temas de Justin Bieber, MC Hammer ou The Weeknd no YouTube, o canal que “mete palavras nas bocas das pessoas” fez Obama cantar “Hotline Bling”.

Mas se não és fã da voz de Barack Obama podes sempre optar pela versão de Rooney Mara, Bryan Cranston, Seth Rogen e uma mão cheia de outros actores que, a convite da W Magazine, fizeram uma interpretação da letra da música do rapper canadiano. Uns cantam, outros declamam e outros acharam melhor adaptar a letra a um diálogo. Ah! E Bryan Cranston faz-nos o favor de ler uns versos com a voz do velho Heisenberg de Breaking Bad.

Afinal a internet é isso mesmo. Uma infinitude de possibilidades que nunca nos deixa desiludidos.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!