O futuro pertence às cidades ocidentais, que crescem e concentram cada vez mais riqueza e poder


 

Há 30 anos e há 20 anos e há 10 anos uma das minhas divagações consistia em adivinhar o que, no século XXI, substituiria os estados enquanto macro-estruturas da organização humana. A coisa podia evoluir por 2 lados: ou as multinacionais assumiriam esse papel (abundam os exercícios de ficção científica a explorar este caminho), ou as cidades recuperariam o protagonismo perdido.

As cidades parecem estar a ultrapassar as empresas. Algumas destas são colossalmente grandes na escala global e exercem o respetivo poder através da aquisição da legislação favorável, mas até agora têm fugido das responsabilidades organizacionais e de sustentabilidade das sociedades. Pelo contrário, para as cidades a organização dos espaços públicos é uma inerência e a sustentabilidade e funcionalidade dos diversos fluxos — humanos, alimentação, energia — são responsabilidades bem aceites.

No Financial Times, Simon Kuper tem um artigo interessante titulado o futuro pertence às cidades ocidentais. Analisa a mudança nos sinais de crescimento das grandes urbes, que acumulam cada vez mais riqueza e poder. E fala do tremendo poder de atração das capitais do ocidente.

Texto: Paulo Querido/Hoje

Aprofundar

The future belongs to the cities of the west (Simon Kuper/Financial Times): These are places where today’s 0.1 per cent, the most mobile class in history, might want to live.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.