É a UNESCO que diz: Óbidos e Idanha-a-Nova são “cidades criativas”


Óbidos
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

É oficial. Tanto Óbidos como Idanha-a-Nova integram agora a lista das 47 cidades criativas da UNESCO, divulgada esta sexta-feira, dia 11.

Este é um rótulo que garante a promoção do desenvolvimento cultural. A distinção promove as vilas a cidades e Óbidos deixa de ser só a vila do Natal e do chocolate e passa a ser uma Cidade Criativa da Literatura e Idanha-a-Nova é agora considerada uma Cidade Criativa da Música.

A candidatura de Óbidos à rede de cidades literárias da UNESCO assenta essencialmente no projecto Vila Literária, em desenvolvimento desde 2011. A autarquia, em conjunto com a editora Ler Devagar, usou fundos comunitários para instalar cerca de 11 livrarias no centro histórico e em locais improváveis como uma igreja, um mercado biológico, uma antiga adega e uma escola primária desactivada, como forma de inovar e reabilitar uma vila em tempos quase deixada ao abandono.

Como ponto a favor houve ainda a organização do FOLIO, o Festival Literário Internacional de Óbidos que decorreu entre os dias 15 e 26 de Outubro e que levou à vila mais de 30 mil pessoas mas cujo impacto, o presidente da câmara afirmou que não teve influência directa no processo uma vez que a candidatura já tinha sido entregue.

Em Idanha-a-Nova, a Câmara preparou durante um ano e meio a candidatura que teve o apoio da Associação Portuguesa de Educação Musical, o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, a Comissão Portuguesa da UNESCO e várias cidades que já têm o título de Cidade da Música, como Mannheim, Bolonha, Sevilha e Hamamatsu.

A vila é palco do Boom, festival que já foi reconhecido pela ONU como exemplo de uma nova “nova consciência” com uma forte vertente ecológica. Além disso realizam-se ainda no concelho os festivais Fora do Lugar – Festival Internacional de Músicas Antigas e o Festival Salva a Terra.  O adufe, o maior representante da riqueza e da tradição musical de Idanha-a-Nova, inspirou o símbolo desta candidatura portuguesa a Cidade da Música da UNESCO.

O objectivo desta Rede de Cidades da UNESCO é promover o desenvolvimento social, económico e cultural destas comunidades, tendo por base as indústrias criativas. As distinções existem desde 2004 são enquadradas em sete temas: à literatura e à música juntam-se cidades e vilas que se destacam no cinema, artesanato e arte popular, design, artes e media e gastronomia. Aqui podes conhecer a lista completa.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!