Este vídeo explica a centenária Teoria da Relatividade Geral

Estes trabalhos iniciais de 1905 foram já motivo de celebração em 2005, o seu centenário, em que foi celebrado o ano mundial da física.

teoria da relatividade geral
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Depois de aos 26 anos ter publicado quatro trabalhos revolucionários que abriram as portas da Física moderna, Einstein veio 10 anos mais tarde, a 2 de Dezembro de 1915, publicar o seu magnum opus, a Teoria da Relatividade Geral.

Se as publicações sobre o efeito fotoeléctrico (que valeu a Einstein o Nobel da física), o movimento browniano, a relatividade restrita e a equivalência entre massa e energia fizeram história, foi por romperem por completo com a mentalidade científica do seu tempo. Pois no final do século XIX a comunidade científica começava a acreditar que estavam dominadas as leis básicas do Universo, que faltava apenas atar as pontas soltas.

O efeito fotoeléctrico viria a ser um dos pontos de partida para o nascimento da mecânica quântica, enquanto a relatividade restrita e a equivalência entre massa e energia seriam duas peças do puzzle que mais tarde vira a ser a Relatividade Geral.

Estes trabalhos iniciais de 1905 foram já motivo de celebração em 2005, o seu centenário, em que foi celebrado o ano mundial da física.

Este ano, dez anos depois, faz 100 anos que Einstein publicou a sua obra-prima, revelando ao mundo que a gravidade, a força que permeia o nosso dia-a-dia, não é mais que uma curvatura causada pela massa da terra no tecido do espaço-tempo.

A Teoria da Relatividade Geral mantém-se tão correcta hoje como há um século atrás, sendo fundamental na descrição de fenómenos e objectos de grande escala, ao invés da física quântica que é utilizada à pequena escala. Um dos grandes desafios da física teórica actual é a conciliação destas duas formas de ver o mundo. Esperemos que não sejam necessários mais 100 anos para que tal se concretize.

Texto de: Pedro Almeida
Editado por: Mário Rui André

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!