À conversa com Andy LaViolette, co-realizador de Snarky Puppy


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Andy LaViolette é co-realizador e o olho de Snarky Puppy, a banda que no dia 21 de Janeiro traz a Portugal o seu novíssimo filme. A demonstração não contará com a presença de Andy, ainda assim falámos com ele para percebermos todo o making of dos diversos vídeos dos álbuns com que a banda nos presenteou desde 2004.

Conta-nos que quando se preparava para voltar para a universidade do Norte do Texas para acabar a graduação em guitarra Jazz, a sua mulher, Christi LaViolette mostrou-lhe os princípios da fotografia, e com uma das suas câmaras de filmar vintage, depois de editar algumas filmagens da sua banda, decidiu enveredar pelo ramo da realização e criar a Mr. Magic Carpet Ride Productions, juntamente com Christi, em 2006.

entrandylaviolette_02Por volta de 2004 trabalhava num restaurante, onde organizava concertos de Jazz e foi aí que conheceu os Snarky Puppy e se apaixonou de imediato pela música que faziam. Após 1 ano a filmar e a aumentar o seu conhecimento no ramo, começou a coordenar e a realizar um DVD ao vivo com o vocalista Michael League e acabaram por gostar da parceria.

Antes do lançamento do álbum Tell Your Friends em 2008, Andy e Michael começaram a discutir a ideia de filmar ao vivo num estúdio, com audiência a assistir à concepção do álbum, fórmula que até então têm sempre usado. Desde então, o processo é sempre o mesmo, conta-nos Andy, o Michael vai ter com ele e com Christi, fica em sua casa durante umas semanas, e trabalham dia e noite para que o resultado seja rápido e eficiente, “Por vezes, ele [Michael League] era capaz de trabalhar comigo entre 12 a 14 horas e depois viajar durante 1 hora, para trabalhar com Eric Hartman, o engenheiro de som.”

Lamentou ainda a morte repentina de Eric Hartman em 2015 e a forma como este infortúnio irá mudar toda o processo dos próximos álbuns.

Sem dúvida que a química de equipa que existe nos Snarky Puppy é sempre demonstrada, e Andy confirma isso mesmo. Explica que são como uma família para ele e que nunca há tensão, mas reforça ainda que, apesar do ser fantástico filmar os álbuns, essa é também uma experiência exaustiva, com muito para coordenar mas cujo resultado final é sempre recompensador.

A componente visual é um ponto forte e preponderante no trabalho da banda. Isto deve-se ao facto de Andy tentar sempre puxar ao máximo a qualidade da produção, querer criar uma forte ligação entre o espectador e a música, mas também querer deixar claro que não quer que quem vê os vídeos se distraia de alguma forma da música, por isso, gosta de manter um enorme controlo sobre os movimentos da câmara, de forma a “providenciar energia ao olhar e também transmitir o sentimento da música.”

entrandylaviolette_03

A filmagem dos álbuns tornou-se uma parte tão importante, que Family Dinner 2, o álbum que passará em Lisboa, também será transmitido em muitas outras partes do mundo. Isto para Andy, é não só uma honra, mas também uma razão de orgulho, tendo em conta que é feito para que a exibição seja realizada com a melhor qualidade possível, algo que poderemos confirmar no dia 21.

Family Dinner 2, comparativamente com o primeiro, volta a contar com um luxuoso leque de artistas, mas difere nos aspectos cinematográficos porque, para além de ser filmado para cinema, todo o material usado é muito melhor do que foi usado anteriormente. Tudo isto, para poderem enfatizar a componente antropológica que é demonstrada nas entrevistas com os artistas convidados, e com algumas performances acústicas. Entrevistas estas, que irão passar também na exibição do filme. Acrescenta ainda que: “A parte mais difícil foi mesmo decidir o que cortar; ouvir estas belas pessoas a falar, mexeu comigo…”

No final, ainda nos disse que Michael é completamente apaixonado por Portugal, e que filmar em terra lusitana, é sem dúvida uma possibilidade.

Family Dinner Vol. 2 é emitido no Cinema Ideal em Lisboa, no próximo dia 21 de Janeiro.

Fotos ao vivo: Christi LaViolette

Texto de: João Carvalho
Editado por: Rita Pinto

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!