Cientistas colocaram pequenos óculos 3D em louva-a-deus para provar que estes têm visão 3D


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Um novo estudo pela Universidade de Newcastle comprovou, segundo os investigadores, que os louva-a-deus são dotados de visão tridimensional. Para chegar a esta conclusão foi necessário construir um cinema 3D para insectos, com direito a óculos 3D e tudo.

Inicialmente, a equipa pretendia utilizar filtros de polarização circular para separar as imagens mostradas, a tecnologia usada hoje em dia nos nossos cinemas 3D, mas tal não foi possível devido à proximidade dos insectos ao ecrã. Recorreu, então, a um sistema mais antigo, com a imagem a ser separada por lentes coloridas, como nos antigos óculos 3D. A diferença aqui é que em vez de uma lente vermelha e outra azul, os cientistas usaram verde e azul, pelo simples facto de os louva-a-deus serem muito pouco sensíveis a cores na gama do vermelho.

louvaadeus3d_02

Para perceber realmente se estes insectos têm noção de profundidade, a equipa de investigação mostrou-lhes imagens de possíveis presas em 2D e em 3D e registou a reacção do animal à imagem mostrada. Sempre que eram mostradas imagens a duas dimensões, o animal não reagia, mas a reacção passava a ser completamente diferente com o sistema 3D, como podes ver neste vídeo:

Em vertebrados sabemos perfeitamente que ter noção de profundidade não é novidade. No entanto, em seres invertebrados, por serem animais com cérebros relativamente simples, é extraordinário que consigam processar as imagens que recebem em cada olho para formar uma imagem tridimensional.

Os cientistas esperam agora que esta descoberta possa vir a ter impacto na forma como são desenhados os algoritmos implementados em software de análise de imagem. Jenny Read, o Professor de Ciência da Visão responsável pelo estudo afirmou que “apesar dos seus cérebros pequenos, os louva-a-deus são caçadores visuais sofisticados que conseguem capturar as suas presas com uma eficiência aterradora”. O cientista acrescentou ainda que “um melhor entendimento dos seus sistemas simples de processamento ajudam-nos a perceber como a visão 3D evoluiu, e poderá levar a possíveis novos algoritmos de percepção 3D para computadores”. Na prática, robôs e computadores em geral podem vir a percepcionar melhor ambientes tridimensionais.

O estudo pode ser lido na integra na revista Scientific Reports.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!