John Grant vai levar o seu mais recente disco até ao NOS Alive 2016


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O Palco Heineken é, por tradição, o espaço para os artistas mais indie apresentarem a sua música no NOS Alive. Ora, aos nomes já anunciados para este palco – Wolf Alice, Hot Chip, Father John Misty, Courtney Barnett e José González –, junta-se agora John Grant, com a promessa de levar até lá, no dia 7 de Julho, o seu Grey Tickles, Black Pressure.

É o terceiro trabalho do músico norte-americano, que se lançou a solo em 2010, depois do fim da sua banda The Czars em 2004. Grey Tickles, Black Pressure foi muito bem recebido pela crítica, com o The Guardian, por exemplo, a incluí-lo na lista de 40 melhores álbuns de 2015.

Sucessor de Pale Green Ghots (2013), este novo trabalho foi baptizado com duas expressões curiosas: “grey tickles” é o correspondente à expressão islandesa para crise de meia-idade, enquanto que “black Pressure” é a tradução literal da palavra turca para pesadelo (John Grant viveu na Islândia e fala numerosas línguas, entre as quais alemão e russo).

Grey Tickles, Black Pressure foi gravado em Dallas e produzido por John Congleton, conhecido por trabalhos realizados com artistas como St.Vincent, Franz Ferdinand, entre outros. O disco contou com a colaboração de Amanda Palmer, Budgie (ex-baterista de Siouxsie and the Banshees) e Tracey Thorne.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.