Mais um carro acabado de chegar do futuro da BMW


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Desde há uns anos para cá que se tem tornado cada vez mais complicado distinguir a CES do Salão do Automóvel de Frankfurt. A segunda década do século 21 tem vindo a consagrar um casamento frutífero entre a tecnologia e o sector automóvel. A versão inspirada no BMW i8 Spyder que conhecemos esta semana é mais um menino de ouro que nasce dessa relação.

O i Vision Future Interaction Concept, que foi apresentado esta semana em Las Vegas, está quitado com toneladas de tecnologia que nos dias de hoje já não podemos, com tanta pertinência, apelidar de futurista.

bmwivisionfutureinteraction_02

O interior do carro tem um aspecto clean e a substituir os tradicionais botões e manivelas, há um ecrã de 21 polegadas ao longo do tabliê que permite ao condutor controlar tudo dentro do carro. E isto sem que seja necessário tocar no ecrã. Tudo graças a uma singular particularidade que a BMW baptizou de AirTouch, um sistema de controlo gestual que permite ao condutor navegar pelas opções dispostas no ecrã sem que haja qualquer contacto físico com o aparelho – basta apontar e simular um clique no ar para selecionar opções. 

bmwivisionfutureinteraction_03

bmwivisionfutureinteraction_04

bmwivisionfutureinteraction_05

bmwivisionfutureinteraction_06

bmwivisionfutureinteraction_07

O design rouba-nos a atenção. Curvilíneo, como manda a regra do concept, e com linhas quase pornográficas para os olhos. Mas, de toda esta construção, a atenção atenta para os interiores. As tendências, feitas hoje de realidades quase plenamente concretizadas onde o condutor deixa efectivamente de o ser, fazem concentrar os esforços naquilo que pode ser inovador dentro do carro.

bmwivisionfutureinteraction_08

O que poderá fazer o condutor quando não precisar de conduzir mais o seu carro? E como é que o vai fazer? Estas são perguntas que têm sido respondidas de inúmeras maneiras e existe um denominador comum a todas elas: tecnologia.

Os carros apresentados na CES são sobretudo ideias do que os modelos produzidos para o consumidor virão a ser. E se há coisa que já ficou garantida há alguns anos, é que daqui a algumas gerações nem iremos precisar de pôr as mãos ao volante.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!