Netflix disponível em (quase) todo o mundo a partir de hoje


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Netflix chegou esta quarta-feira a 130 novos países, o que significa que agora está disponível em praticamente todo o Mundo.O anúncio foi feito – e o serviço entrou em funcionamento – durante uma conferência no CES 2016, pelo co-fundador e CEO da Netflix, Reed Hastings.

O Netflix, empresa que nasceu nos Estados Unidos há quase duas décadas, afirma-se agora global, com o seu serviço de streaming de filmes e séries a chegar a mais de 200 países. Até aqui o Netflix podia ser usado em cerca de 60 países, incluindo Portugal.

“Estamos hoje a assistir ao nascimento de um novo canal global de televisão pela Internet”, afirmou Hastings. “Com este lançamento, os consumidores de todo o mundo – de Singapura a São Petersburgo, de São Francisco a São Paulo – poderão ver séries e filmes em simultâneo, sem tempos de espera.”

Por um preço fixo mensal, os membros de todo o mundo vão poder ver séries originais Netflix, incluindo Demolidor da Marvel e Jessica Jones da Marvel, Narcos, Sense 8, Grace and Frankie e, ainda, Marco Polo, bem como um catálogo de séries, filmes e programas sob licença. Em 2016, dos planos da empresa destacam-se o lançamento de 31 séries novas e de reposição, 24 longas-metragens e documentários originais, um vasto leque de programas especiais de comédia stand-up e 30 séries infantis originais, que serão disponibilizados a todos os membros, independentemente da sua área geográfica.

O Netflix ainda não está disponível na China, embora a empresa continue a procurar opções que lhe permitam fornecer o serviço. Também não está presente na Crimeia, Coreia do Norte e Síria, devido a restrições impostas a empresas americanas pelo Governo dos Estados Unidos. Desde o lançamento do seu serviço de streaming em 2007, a Netflix expandiu o serviço globalmente, primeiro para o Canadá, depois para a América Latina, a Europa, a Austrália, a Nova Zelândia e o Japão. 

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!