Nova funcionalidade do Facebook pode desbravar caminho para a rede social chegar à China


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O Facebook é actualmente a rede social mais utilizada do planeta mas há ainda mercados onde a sua entrada é completamente proibida devido a restrições no uso da internet. Determinados a lutar contra a censura online, uma equipa de programadores de Mark Zuckerberg desenvolveu uma nova funcionalidade que tanto pisco os olhos aos amantes do anonimato, como pode ser forma de chegar aos utilizadores da China e do Irão, que totalizam 1,4 mil milhões da população mundial.

O projecto foi iniciado no verão do ano passado por um estagiário do Facebook e passa alterações na app do Facebook para Android, para que assim seja possível contornar tanto a conhecida Great Firewall of China, que bloqueia sites como o Facebook e o Twitter, mas também a censura cometida no Irão.

fbchinaandroid_02

O Facebook incluiu na versão Android da sua app o serviço Tor, que ajuda os navegadores a andar no mundo online de forma anónima e protegida. Esta é uma ferramenta tanto utilizada por criminosos para actividades ilícitas como por pessoas em países com governos ditatoriais, que bloqueiam e controlam a navegação na internet da sua população. Se funcionar, esta nova funcionalidade pode resultar num aumento brutal do número de utilizadores da rede social de Zuckerberg.

Claro que, tal como o Tor, também a Great Firewall of China poderá ser atualizada e combater este tipo de actividades, e portanto será necessário atenção e melhoramentos constantes para que o serviço continue a ser viável. Importa também referir que este é um serviço que estará disponível apenas para Android e não para computador – o que não é um problema de maior tendo em conta a elevada percentagem de pessoas que acede à rede social pelo mobile.

Para mais detalhes sobre como o Tor e o Facebook funcionam juntos, consulat esta nota.

Publicado por Facebook over Tor em Terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.