Apple Music está a crescer, mas ainda só tem metade do mercado do Spotify


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Lançado em junho de 2015, o Apple Music, serviço de música por streaming da Apple, desde cedo que criou polémicas mas tem vindo a crescer a cada mês que passa. Contudo, de acordo com os números divulgados recentemente pela própria Apple, o número de subscritores ainda não é suficiente sequer para se poder comparar ao Spotify.

Os vice-presidentes da Apple, Craig Federighi e Eddy Cue participaram recentemente no programa de John Gruber, o podcast The Talk Show, e revelaram os números do Apple Music: cerca de 11 milhões de subscritores. Recorde-se que todos estes subscritores pagam uma mensalidade, já que, ao contrário do Spotify, não há a possibilidade de utilizares o Apple Music gratuitamente e com anúncios.

Este é um óptimo salto em relação aos 6,5 milhões de assinantes pagos que o Apple Music tinha em outubro, número este que aumentou com a chegada do serviço ao Android, e dá boas indicações para o resto do ano. Mas não é ainda o suficiente para o colocar em luta direta com os números do Spotify.

De acordo com o site Statista, o Spotify somava em Junho do ano passado mais de 20 milhões de subscritores pagos, ou seja, quase o dobro do que o Apple Music tem neste momento. Não obstante, importa referir que este é um serviço com nove anos (lançado em Abril de 2006) e não com oito meses.

Os onze milhões de subscritores vêm confirmar o relatório publicado no mês passado pelo Financial Times. Federighi e Cue revelaram ainda no podcast que o iCloud é atualmente utilizado por 782 milhões de pessoas, que fazem o upload de muitos mil milhões de fotografias todos os dias para a Cloud.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!