Destruir um produto pode ajudar a que funcione novamente. Ou algo assim parecido


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Todos nós já tivemos um ou outro gadget que, de um momento para o outro, ou “dá o berro” ou não começa a funcionar da forma mais desejada. Nessa altura, o mais acertado é ir buscar a fatura e exigir o seu arranjo ou um novo produto. Mas não é todos os dias que nos pedem para o destruir completamente.

O caso insólito acontece no Brasil com a Logitech e foi relatado numa das edições do Loopcast por Marcus Mendes. O Loopcast é um semanário do Loop Infinito, um canal de tecnologia no YouTube que soma cerca de 215 mil seguidores e ao qual Marcus se juntou recentemente.

Marcus tinha um teclado para o iPad Pro que, de um momento para o outro, começou a dar problemas e cuja única solução (na altura) era reiniciar a ligação ao iPad. O lesado resolveu então entrar em contacto com a Logitech, que lhe respondeu e mostrou-se disponível para lhe enviar um novo produto.

Contudo, havia uma condição. Para que lhe fosse enviado um novo teclado, Marcus tinha de… destruir o teclado que tinha atualmente. Sim, “quebrar” por completo. Caso tivesse dúvidas de como o fazer, a Logitech enviou até um manual de instruções. Como não podia deixar de ser, a equipa gravou o momento:

Mas se tudo já tinha a sua piada, uma semana depois passou a ter ainda mais. De acordo com o MacRumours, o problema que levava às falhas do teclado, e que levou à sua destruição total, nada tinha a ver com o hardware, mas sim com o próprio iOS. Essa falha foi corrigida pela Apple e, portanto, o teclado da Logitech ia voltar a funcionar perfeitamente.

Os seguidores do Loopcast disseram até que este foi um procedimento que já tinha acontecido com eles e com outros produtos da marca. Provavelmente, o que a Logitech quer evitar é que, enviado um novo produto para os clientes, eles vendam os produtos danificados e estraguem a reputação da empresa. Tem a sua lógica, mas não deixa de ser curioso.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.