Não, o auricular da Garmin para ciclistas não é um sonho tornado realidade


Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

A razão pela qual não gostámos do Garmin Varia Vision foi a mesma que nos levou a não gostar do Google Glass. Um minúsculo ecrã colocado no canto superior direito implica um esforço ao nível dos olhos para ler o texto e ver os gráficos – o que pode, para quem está a conduzir uma bicicleta, pode ser perigoso.

O Garmin Varia Vision foi revelado no início deste ano, na CES, em Las Vegas, e chegou aos ouvidos do Shifter através de um vídeo conceptual que nos entusiasmou. Uma bicicleta não tem um painel de instrumentos ou um tabliê como os automóveis, pelo que ter dados sobre a viagem, direcções passo-a-passo (incluindo distância até virar e nome da rua), informações de trânsito, notificações do telemóvel (como mensagens e chamadas) à frente dos olhos parecia uma boa ideia.

garminvariavisionmwc16_02

No entanto, o Varia Vision é algo que nunca compraríamos. Está longe do sonho que a Garmin parecia ter acabado de realizar. Tal como nos óculos da Google, existe um touchpad na lateral que nos permite mexer nos menus. O equipamento não tem GPS incorporado, pelo que tem de ser emparelhado com um terminal da Garmin ou com um telemóvel.

Uma grande diferença entre o Garmin Varia Vision e o Google Glass é que o primeiro é apenas um auricular que pode ser anexado a um par de óculos que já tenhamos. O Varia Vision custará custar cerca de 400 dólares quando chegar ao mercado este Março. É um produto que definitivamente não vamos comprar.

mwc16banner

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.