ProtonMail: o serviço de e-mail que aparece em Mr. Robot existe mesmo

Produtores da série chegaram até a contribuir com ideias para melhorar o serviço.

Mr. Robot é uma das séries mais aclamadas de 2015. O protagonista, Elliot Alderson, é um hacker nos tempos livres que está prestes a provocar um cataclismo financeiro à escala global graças às suas capacidades de intrusão e manipulação de sistemas e dados. Numa posição como esta, onde o anonimato é a sua maior segurança, a série dá-nos a conhecer uma mão cheia de ferramentas utilizadas pelo protagonista que podem ajudar-nos a garantir um passeio à sombra dos olhos das agências de segurança no mundo real. O ProtonMail é uma dessas ferramentas e o melhor de tudo isto é que não é ficcional. Está disponível, tanto para o Elliot como para ti.

Se estás à procura de um serviço que te possa dar algumas garantias de segurança, o ProtonMail é uma aposta certa. Este serviço de e-mail foi fundado em 2013 por cientistas que se conheceram enquanto trabalhavam na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear em Genebra, onde sediaram a empresa. E a localização da sede não é um pormenor trivial, o facto de a Suíça operar com leis apertadas de privacidade garante uma camada de segurança adicional forte que fica garantida na legislação ao contrário do que consegues com o Gmail, por exemplo.

mrrobotprotonmail_02

No ProtonMail precisas de duas passwords para iniciar sessão: uma para garantires a tua identidade ao servidor e outra que apenas corre no teu browser, sem nunca ser comunicada ao serviço de e-mail, para poderes ter acesso à tua caixa de entrada. No entanto, ao mesmo tempo que isso te garante a privacidade dos teus dados face a terceiros, pode representar também uma limitação se acabares por necessitar de recuperar a segunda palavra passe dado que o ProtonMail nunca terá acesso a essa informação.

Aqui, qualquer mensagem que envies é armazenada de forma encriptada nos servidores da Proton. A única chave que garante a sua decifração é a segunda palavra chave do utilizador. No pior dos cenários, este manto de segurança dá a melhor resposta possível. Na maioria dos serviços de e-mail, as nossas mensagens são guardadas enquanto ficheiros de texto simples, o que facilita a consulta dos registos a terceiros. Nestes casos, se as agências governamentais impelirem as empresas a entregar informações e registos de utilizadores, eles serão facilmente escrutinados. Contudo, se a lógica de armazenamento for concebida em volta da encriptação de mensagens, como acontece nos servidores do ProtonMail, os únicos registos que podem ser fornecidos serão praticamente indecifráveis.

mrrobotprotonmail_03

Esta é uma alternativa fiável e mais segura do que os serviços de e-mail mais correntes. Contudo, há que ter em conta a sua fase embrionária onde as arestas ainda não foram todas limadas e são susceptíveis de criar algumas lacunas a nível de segurança. Apesar de tudo, o ProtonMail será sempre uma via mais segura do que os serviços mais correntes como o Gmail ou o Yahoo.

A necessidade de retratar o realismo do universo do hacking levou os produtores de Mr. Robot a uma pesquisa afincada que terminou com a descoberta do ProtonMail. Contudo, a inclusão do serviço de e-mail na série norte-americana não beneficiou somente o enredo. Sabe-se que os produtores fizeram uma contextualização minuciosa de todo o ambiente que rodeia Elliot, ao ponto de terem até sugerido uma nova funcionalidade aos CEOs do ProtonMail.

“Ao longo das nossas discussões com a equipa de Mr. Robot, eles mencionaram que uma pessoa focada na segurança como o Elliot ia precisar de uma maneira de monitorizar a actividade do seu e-mail e perguntaram-nos se isso era uma funcionalidade que o ProtonMail suportava. Bem, agora suportamos”, pode ler-se no blogue oficial do ProtonMail.

Se não queres ver as tuas mensagens nas mãos erradas, vale bem a pena experimentares.