The Independent sai das bancas e passa a publicar exclusivamente online


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

O jornal britânico The Independent deixará de circular em formato impresso. A notícia já foi confirmada pelo proprietário da publicação, o milionário russo Evgeny Lebedev, ao The Guardian. A última edição impressa do jornal deverá ser publicada a 26 de Março e a edição especial de domingo, Independent on Sunday, a 20 de março.

O cessar de actividade no mundo das publicações impressas vai levar, no entanto, a uma aposta maior no digital. “A indústria de jornais está a mudar, e essa mudança está a ser conduzida pelos leitores”, disse Lebedev ao The Guardian“Eles estão a mostrar-nos que o futuro é digital. Esta decisão preserva a marca The Independent e permite-nos continuar a investir em conteúdo editorial de alta qualidade e que está a atrair cada vez mais leitores para nossas plataformas online”, declarou o russo em entrevista ao jornal britânico.

theindependentsempapel_02

Ao que aparenta, esta transição será sustentada pelos números que o site do jornal tem apresentado. Segundo noticia hoje o The Independent, os conteúdos publicados online têm sido responsáveis por um crescimento de 33.3% na audiência do site nos últimos 12 meses, o que em números concretos se traduz num aumento de quase 70 milhões de novos utilizadores. Perante este cenário, a publicação anuncia também que o “site é lucrativo e é esperado um aumento de 50% na receita, este ano”.

Esta é uma tendência que acaba por contrariar o panorama de vendas diárias do The Independent que, actualmente, é o jornal menos distribuído no Reino Unido, ficando assim atrás de publicações como o Sun, The Times ou o The Guardian.

Nesta reformulação do Independent inclui-se também a venda do jornal I – uma versão direccionada aos millenials criada em 2010 – ao grupo Johnston Press por um valor a rondar os 32 milhões de euros

Em comunicado aos funcionários da publicação, Evgeny Lebedev fez saber que será lançada uma nova aplicação paga do jornal e que será feito um investimento em novos escritórios na Europa, Ásia, Médio Oriente e Estados Unidos da América.

Será este o princípio do fim da folha?

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!