Twitter suspendeu mais de 125 mil contas relacionadas com o Daesh


A comunicação é o cerne de tudo. E, nas guerras que se travam no século 21, todas elas extrapoladas para o universo digital, as gigantes tecnológicas como o Twitter podem ser determinantes no desmantelamento de redes de recrutamento ou canais estratégicos de contacto entre membros de organizações terroristas. Para isso, a empresa norte-americana promete continuar a fazer a sua parte.

Numa publicação feita no seu blogue oficial no passado dia 5 de Fevereiro, o Twitter anuncia que cerca de 125 mil contas relacionadas com actividades ou organizações terroristas, já foram suspensas desde meados de 2015. Apesar dos resultados “os esforços não param por aqui” a gigante tecnológica anuncia que foram expandidas “as equipas que analisam as denúncias, diminuindo significativamente o tempo de resposta.” como se pode ler na sua declaração.

No entanto, o post termina com um último parágrafo que aparenta ser uma justificação para os erros cometidos pelo Twitter nesta “caçada” que tem levado a cabo na rede social: “Como muitos especialistas e outras empresas repararam, não existe “algoritmo mágico” para identificar conteúdo terrorista na internet, assim as plataformas globais online são forçadas a fazer juízos desafiantes com base em informação e orientação bastante limitada.”

Neste sentido, a empresa tem enfrentado algumas críticas. Se por um lado lhe criticam a forma agressiva como tem procedido à suspensão de contas, que levou até à breve suspensão da conta de um activista da Primavera Árabe por um mal entendido, por outro, o Twitter tem sido acusado de ser algo passivo face à presença de determinados utilizadores que declaram de forma explícita o seu apoio a organizações terroristas.