Iggy Pop no SBSR 2016


Iggy Pop confirmado no Super Bock Super Rock a 15 de julho, no Palco Super Bock. O cantor acabou de lançar Post Pop Depression, o seu 17º álbum de estúdio, produzido por Josh Homme dos Queens of the Stone Age.

Da história de Iggy Pop, poderiam escrever-se páginas de volume bíblico. No entanto, podemos resumi-lo como um dos mais influentes músicos punk-rock de sempre. Com os Stooges, editou três discos marcantes: o homónimo de estreia (1969), Funhouse (1970) e Raw Power (1973). A vibração cheia de riffs de guitarra, a bateria a galope e o estilo performer inconfundível de Iggy Pop marcaram indelevelmente o final dos anos 60 e os primeiros anos da década de 70, perdurando até hoje.

Iggy Pop é um artista total. O corpo e a alma criativa transpiram por todos os poros e sons. Depois dos Stooges, em 1977, vieram os primeiros discos a solo, com a produção do seu “irmão” David Bowie: The Idiot e Lust for Life. Daí para cá, nunca parou, e a sua obra em nome próprio atinge quase duas dezenas de edições. Para além dos supracitados, criou discos como New Values, Zombie Birdhouse, Blah Blah Blah, Brick by Brick, American Caesar ou os mais recentes Skull Ring, Preliminaires e Apres. Foi ocasionalmente actor, escreveu uma autobiografia e, em 2010, com os seus Stooges, passou a ter o nome inscrito no Rock and Roll Hall of Fame.

Porque o vigor e a criatividade se mantêm intactos, juntou-se a Josh Homme e, no Rancho de la Luna, estúdio que é a casa dos Queens of the Stone Age, em pleno deserto californiano, gravou Post Pop Depression. Este novo registo, que será editado em Portugal na próxima sexta-feira, está rodeado de enorme expectativa e atenção mediática a nível global, com temas como “Gardenia”, “Break into Your Heart” ou “Sunday” a rodar desde o início do ano. Um disco incrível, de juventude e de génio, que junta dois criadores distantes na cronologia, mas capazes de harmonizar o seu talento para um registo singular e imenso de energia.