Quando não é sim, é porque é não

Project Consent é o trampolim para uma revolução nos casos de crimes sexuais.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Em pleno século XXI, os casos de crimes sexuais continuam uma realidade e Sara Li fundou Project Consent, o projecto que separa um Sim de um Não, sublinhando que o consentimento é a linha que separa o bem e o mal.

Li é uma estudante norte-americana de jornalismo da Universidade de Kansas e pioneira de um projecto que se baseia na luta contra a violência e assédio sexual, através de vídeos educativos e uma plataforma interactiva.

O projecto surgiu quando Sara tinha apenas 17 anos, e tem como objectivo combater a cultura do assédio e da violência sexual e educar as audiências sobre a disparidade de discussão deste crime, promover um diálogo positivo sobre a importância do consentimento. A nossa missão é zelar por um futuro em que o abuso sexual não seja trivializado pelo mundo à nossa volta.”

Após a actuação de Lady Gaga nos Óscares deste ano onde dezenas de vítimas de violação sexual subiram ao palco e apelaram à consciência do público para um assunto que ainda prevalece na nossa sociedade, muitas vezes “atirado por debaixo de um tapete”, este projecto entrou nas redes sociais tornando-se viral através de vários vídeos e levantando discussões pertinentes e reacções muito positivas por todo o mundo.

Quando uma mulher sai para se divertir, independentemente das roupas que veste, não significa que o consentimento seja algo garantido.

Ela até pode gostar das tuas piadas, criar uma empatia contigo, mas isso não te dá o direito de a abordar fisicamente.

O assobio, os piropos quando ela passa, não são inocentes nem um ritual de passagem, uma mulher tem o direito de andar na rua sem se preocupar com o que as pessoas vão fazer ou dizer.

Tu também podes ajudar e fazer a diferença, como a plataforma refere “é preciso uma vila para criar uma criança”, não é só através de uma, mas sim de várias pessoas e testemunhos, para que as crianças de hoje sejam os adultos de amanhã, criados num ambiente em que a cultura de violência sexual seja dizimada da nossa sociedade.

“Para todas as intenções e propósitos, o Project Consent não consegue acabar com esta cultura sozinho. Mas com a ajuda dos nossos seguidores, esta iniciativa consegue chegar e junta cada voz que participa”, porque “Se não é sim, é não.”

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.