9 novos nomes para o cartaz do Bons Sons 2016


A organização do Bons Sons revelou mais 9 nomes que enchem o cartaz do seu festival de música portuguesa. A rocktrónica de João Vieira no projecto White Haus, o turbo-baile de Tocha Pestana, os jogos rítmicos das Adufeiras do Paúl, as canções tresmalhadas de Diego Armés, as quatro baterias de Tim Tim por Tim Tum e as canções dramáticas de João e a Sombra são os novos nomes para o alinhamento desta edição.

Aos quais se junta a editora Enchufada que, tal como o Bons Sons, está a celebrar 10 anos. Branko, Rastronaut e Dotorado Pro, nomes emblemáticos da editora criada pelos fundadores de Buraka Som Sistema, vêm encher a noite de ritmos globais.

White Haus é a aventura de João Vieira na composição e produção electrónicas, depois do sucesso aos comandos de X-Wife e DJ Kitten. Já a dupla Tocha Pestana percorre deliberadamente a estética pop-rock portuguesa dos anos 1980 e revela-se os reis do turbo-baile. Pop de bola de espelhos a reflectir nos óculos escuros retro-futuristas é o que promete. As Adufeiras do Paúl, por sua vez, misturam as palavras das suas recolhas etnográficas com os sons de adufes, peneiras e pedrinhas.

Diego Armés é um homem de canções frágeis e isoladas, apoiadas no som da guitarra acústica. Entretanto, quatro baterias em palco de Tim Tim por Tim Tum (José Salgueiro, Alexandre Frazão, Bruno Pedroso e Marco Franco) comportam um universo tão vasto quanto a imaginação de quem as toca e de quem as ouve. E João Tempera ressuscitou o seu alter-ego musical João e a Sombra e traz canções negras que consolam as penas e embalam os medos.

Branko, que é pioneiro da editora Enchufada e que editou o seu álbum, Atlas, em 2015, depois de uma residência na BBC Radio 1 e Antena 3, promete uma sonoridade classificada como “sensualmente dançante”. Por seu lado, Rastronaut encarna na plenitude a missão da Enchufada, de azimute traçado desde o continente africano até Campo de Ourique. E, por fim, Dotorado Pró é um dos mais recentes nomes lançados pelo selo português, trabalha num misto de afrohouse e sonoridade progressiva.

A primeira fase de venda de bilhetes termina já no final de Abril. Até lá o passe de 4 dias mantém-se a 25 euros. Em Maio passa a custar 32 euros e em Julho sobre para 38 euros. O Bons Sons realiza-se de 12 a 15 de Agosto na aldeia de Cem Soldos, Tomar.