Activista afro-americana é a nova cara das notas de 20 dólares


É a primeira mulher a aparecer numa nota americana em mais de um século e a primeira representante da comunidade afro-americana de sempre a conseguir tal feito, e por isso tens de saber de quem se trata. Harriet Tubman é um nome sonante da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.

Nasceu em 1822 numa plantação de escravos em Maryland de onde, aos 27 anos, conseguiu escapar. Foi para a Pensilvânia, um dos estados mais livres do norte dos EUA mas acabou por regressar por várias vezes ao local onde nasceu para resgatar familiares e outros escravos.

“Libertei mil escravos. Podia ter libertado outros mil se eles soubessem que eram escravos.” – é uma das citações mais conhecidas de Tubman, também conhecida como Black Moses.

Foi uma pioneira na luta contra a escravatura, antes mesmo desta ter sido abolida em 1865 com a Guerra Civil dos Estados Unidos. Durante a guerra foi escuteira, enfermeira, cozinheira e espia da União (o nome dado aos “estados livres” do Norte, numa altura em que questões raciais e de direitos civis ameaçavam separar o país). Foi a primeira mulher a liderar uma expedição armada, liderou as tropas responsáveis pela libertação de centenas de escravos através de caminhos de ferro subterrâneos. No pós-guerra, lutou pela pensão que era sua por direito, que até então era atribuída apenas aos soldados e foi uma das impulsionadoras do direito de voto das mulheres.

Por tudo isto e muito mais, não faltam motivos para Harriet Tubman ser novamente protagonista de uma mudança histórica. O Departamento do Tesouro norte-americano anunciou esta quarta-feira que a norte-americana vai substituir Andrew Jackson, o sétimo presidente dos EUA, responsável pela expulsão de várias tribos indígenas das suas terras. Irónico, não?

20bill

O novo design só deve ser conhecido em 2020, apesar de já rodarem na Internet várias montagens. Apesar das alterações, uma imagem de Andrew Jackson vai continuar a aparecer nas parte de trás da nota de 20 dólares, mas haverá também mudanças nas notas de 5 e 10 dólares. Nas costas da de 5 vão passar a figurar nomes como Martin Luther King Jr. ou a ex-primeira dama Eleanor Roosevelt. No verso das de 10 vão passar a estar imagens de líderes do movimento sufragista.

A mudança foi impulsionada por vários movimentos feministas e tem sido bem recebida pelos que dizem que já era altura das minorias estarem representadas no dinheiro norte-americano. Algumas vozes críticas não concordam com alterações à tradição mas, afinal, não é de passado que se faz o futuro?