E se fôssemos nós? O que levaríamos na mochila?


A Plataforma de Apoio aos Refugiados lançou uma campanha brilhante que nos coloca a todos no papel do “outro”: “E se fosse eu” no lugar de um refugiado? O que levaria na minha mochila? Dá que pensar.

A ideia foi inspirada no projeto “What’s In My Bag?”, desenvolvido pelo International Rescue Comitee e por Tyler Jump, fotógrafo de profissão, que captou através da sua lente o que vários refugiados conseguiram trazer quando chegaram à ilha de Lesbos, na Grécia.

No vídeo institucional partilhado pela entidade portuguesa, os exemplos são maioritariamente de refugiados sírios que confessam com humildade as pequenas coisas que trouxeram consigo antes mesmo de embarcarem para a Europa. Medicamentos, documentos, mudas de roupa e aparelhos tecnológicos que permitam a comunicação são os “bens” mais demonstrados.

Mas às vezes a escolha não é simples. E é no amor e no desespero que encontramos relatos como um anónimo farmacêutico que preferiu levar consigo as fotografias da família. “Deixei na Turquia os meus pais e a minha irmã. Pensei que se morresse neste barco, pelo menos morreria com as fotografias deles perto de mim.”

O exercício foi ainda abraçado por todas as escolas portuguesas do Ensino Básico e Secundário através do apoio da Direção-Geral de Educação, do Alto Comissariado para as Migrações e do Conselho Nacional de Juventude. Afinal de contas, a percepção de toda esta crise social e política é um assunto importante que merece ser conversado e analisado por todos. Mesmo por aqueles a quem o mundo ainda parece simples e infantil. Não fosse o outro lado do planeta um lugar onde ser criança, pai ou mãe, deixou de ser um Direito Humano.

Marcelo Rebelo de Sousa foi uma das figuras políticas que encabeçou este projeto, a decorrer desde quarta-feira, acabando também ele por partilhar o que levaria consigo. “Fotografias de família, uma Bíblia, o livro Guerra e Paz e um telemóvel com carregador. O mínimo possível.”

#esefosseeuE se fosse o Presidente da República…www.esefosseeu.pt

Posted by RTP on Monday, April 4, 2016

“Como estragar uma campanha com um erro de casting” – a polémica sobre a opinião de Joana Vasconcelos

A artista plástica portuguesa foi uma das convidadas a partilhar a sua ideia de “mochila de fuga” mas o conteúdo acabou por ser ironizado e muito criticado nas redes sociais. Na sua lista, exclusiva a bens materiais, os produtos variavam entre jóias, lãs e óculos de sol.

Joana VasconcelosO que levava?#esefosseeu

Posted by RTP on Thursday, April 7, 2016