Há novas imagens do filme porno homossexual de James Franco


 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

James Franco não deixa ninguém indiferente – seja no grande ecrã onde se reinventa em cada papel, seja nos social media onde não costuma ter filtro. Entrevistou Kim Jong Yun em A Entrevista, já foi uma caricatura de Riff Raff em Springbreakers e um professor viajado no tempo na tentativa de impedir o assassinato John F. Kennedy na nova série televisiva 11.22.63.

O seu último projeto profissional é o drama pornográfico King CobraO filme baseia-se na história de Bryan Kocis, realizador de filmes pornográficos e fundador do Cobra Video, um estúdio dedicado a esta expressão em particular. A obra baseia-se no livro Cobra Killer: Gay Porn, Murder, and the Manhunt to Bring the Killers to Justice de Andrew E. Stone e Peter A Conway e estreou este fim-de-semana no festival de cinema nova-iorquino de Tribeca. Entre o conteúdo infinito que a estreia fez nascer na web sobre o filme, há um vídeo com cenas exclusivas para te deixar ainda mais curioso.

A semana passada, a Enterteinment Weekly tinha libertado as primeiras imagens em vídeo conhecidas do filme.

O drama verídico oferece um olhar sobre a cena porno LGBT dos anos 2000 e está repleto de contornos recônditos que terminam com o assassinato de Kocis. Sean Paul Lockhart (Garrett Clayton) é uma jovem estrela em ascensão que depressa inicia o seu percurso com o produtor, aqui interpretado por Christian Slater. Lockhart faz o seu caminho, adopta o pseudónimo “Brent Corrigan” e torna-se um símbolo sexual. A relação entre os dois complica-se quando o actor contradiz o seu ar ingénuo e começa a aperceber-se de como funciona o mundo dos negócios. Ofendido pelo seu salário insignificante, descobre que há dinheiro que não lhe chega às mãos. Abandona a Cobra, marca que o tornou famoso, achando que pode viver sem agente, mas é quando cai nas mãos dos The Boyz Viper, uma dupla constituída pelo produtor interpretado por James Franco e pelo seu sócio/actor principal/amante (Keegan Allen), que começa uma guerra que tem tanto de sórdida como de tórrida.

A crítica tem elogiado o filme de Justin Kelly, ressalvando o estilo trági-cómico com que abordou o tema. Numa recente entrevista ao The Verge, Kelly abriu o jogo sobre as intensas cenas de sexo gay no filme e revelou que os na maioria das vezes os actores levaram as coisas “mais além” do que o guião pedia.

A verdade é que o buzz em torno da orientação sexual de James Franco tem servido como o marketing mais eficaz de sempre ao filme. O actor já interpretou homossexuais tantas vezes quantas representou heterossexuais no grande ecrã e por várias vezes fez declarações que deixaram no ar a dúvida e fizeram a imprensa esquecer o role de ex-namoradas de Franco que inclui nomes como a modelo Agnes Deyn ou a actriz Sienna Miller.

Na sua mais recente entrevista publicada pela New York Magazine, James admitiu ironicamente que é “um pouco gay.” Disse que “Há uma cerca confusão em relação à minha sexualidade. E a primeira questão é: ‘Por que é que isso interessa?’ Bem, interessa porque sou uma celebridade. É por isso que se importam com quem tenho sexo. Mas se a vossa definição de gay e homossexual depende de com quem eu durmo, então acho que podem dizer que sou. Tenho de ser leal porque a minha sensibilidade mente quando tenho de me definir. Por isso, sim, sou um pouco gay, existe um James gay.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.