O caso Panama Papers explicado com porquinhos-mealheiro


Na noite de domingo, foram postos a descoberto centenas de documentos que comprovam a existência de uma complexa rede de empresas offshore que se ocupam de esconder as fortunas de personalidades do universo artístico, empresarial, desportivo, político e por aí fora.

Os 2,6 terabytes de informação, parte do acervo da Mossack Fonseca, a empresa responsável pelos negócios offshore, traduzem-se em mais de 11 milhões de documentos que durante um ano foram analisados por mais de 300 jornalistas, numa operação coordenada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação. Das análises, surgiram nomes como Vladimir Putin ou Sigmundur Davíð Gunnlaugsson, o primeiro ministro islandês cujo envolvimento no caso deu, esta segunda-feira, origem a concentrações populares à porta do parlamento onde pediram a demissão de Gunnlaugsson (que acabou por acontecer esta terça-feira). Há 244 empresas portuguesas estão referenciadas nos documentos.

O caso, considerado um dos maiores leaks de sempre, ganhou o nome de Panama Papers e é bem complexo por envolver escândalos de offshore e acusações de corrupção nem sempre fáceis de entender. Um utilizador do Reddit, @DanGliesack, decidiu explicar tudo de forma muito simples utilizado uma história de porquinhos-mealheiro.

O texto foi apanhado pela Vox e oportunamente traduzido para português pela TSF:

Quando tens 20 cêntimos pões esse dinheiro no mealheiro. O porquinho está numa prateleira num armário do teu quarto. A tua mãe sabe disso e verifica-o de vez em quando. Assim ela sabe quando estás a poupar ou a gastar dinheiro.

Depois, um dia, tu decides: “eu não quero que a minha mãe olhe para o meu dinheiro”. Resolves ir até à casa do Joãozinho com um mealheiro extra que vais deixar no quarto dele. Escreves o teu nome neste segundo mealheiro e arrumas este novo porquinho no armário. A mãe do Joãozinho está sempre muito ocupada, de modo que ela nunca terá tempo para olhar para dentro do teu mealheiro. Assim podes guarda-lo lá e os teus pais nunca saberão.

O tempo passa e agora todos os miúdos do bairro acham que esta foi uma boa ideia. Toda a gente deixa na casa do Joãozinho mealheiros extra. O armário no quarto do Joãozinho está agora cheio com os porquinhos-mealheiros de toda a gente do bairro.

Um dia, a mãe de Joãozinho chega a casa e vê os cofres todos. Fica muito zangada e e chama os pais dos meninos todos para que eles saibam o que os filhos andaram a fazer.

No entanto, nem toda a gente usou um segundo mealheiro pelas razões erradas. Por exemplo, o irmão do menino Henrique está sempre a rouba-lo e ele só queria encontrar um esconderijo melhor. A Ana queria poupar o suficiente para comprar uma prenda à mamã sem que ela suspeitasse. O Samuel só o fez porque achou que podia ser divertido.

Mas há outros meninos mais travessos: o Ricardo tem andado a roubar o dinheiro do lanche de outros rapazes e não queria que os pais descobrissem o esquema. O José andava a tirar dinheiro da carteira da mãe. Os pais do Tó Gordo puseram-no de dieta e ele não queria que eles saibam que ele anda a comprar rebuçados.

Agora, na vida real, muitas pessoas importantes foram apanhadas a esconder os seus mealheiros na casa de Joãozinho que vive no Panamá. Foi hoje que as mães dessas pessoas descobriram o que eles andam a fazer. Brevemente iremos saber quais foram as pessoas importantes que estavam a guardar o dinheiro no quarto do Joãozinho do Panamá pelas más razões e quais estavam a esconder o dinheiro sem segundas intenções.

Independentemente disso quase todos estão metidos numa alhada. É feio guardar segredos.

Confere a ilustração desta história aqui. Um trabalho da Vox, também.