#PlaylistShifter: Pela Liberdade


A dissidência e a luta contra o establishment sempre foram um bastião da música, especialmente da música de linguagem simples e pretensamente popular. Seja nas cantigas e metáforas de Zeca Afonso, seja na revolta armada de palavras brutas de bandas como Rage Against the Machine. Um ponto lhes é comum, o primar da liberdade de expressão e a coragem revolucionária de cantar contra o sistema.

Na memória ficam os refrões mais orelhudos ou as passagens mais inusitadas de maior afirmação de poder ou mais delicada subversão. Reutilizadas para o contextual actual, desfeitas em frases feitas ou como marcos simbólicos intocáveis, a música interventiva revelou-se à prova dos tempos e um duns veículos mais profícuos no reclamar da liberdade.

E se na história resistem escritos, no mundo resiste a essência de uma luta transcendente, nem sempre ao alcance da nossa consciência, sempre em contrapoder a fazer relembrar a revolução e a exaltar até com alguma lascívia os benefícios da total liberdade na criação artística.

E porque hoje é 25 de Abril, queremos que celebres connosco ao som de uma banda sonora que, de uma forma ou de outra, se relaciona com liberdade, a nossa ou a do Mundo.

Pela Liberdade

  1. Ikonoklasta – “A Conspiração dos Moskitos Inofensivos”
  2. Capicua – “Medo do Medo”
  3. Jimi Hendrix – “Freedom”
  4. Nina Simone – “Revolution”
  5. Smoove – “The Revolution Will Be Televised”
  6. José Mário Branco – “FMI”
  7. Criatura – “Pastor Sem Cajado”
  8. Public Enemy – “Fight The Power”
  9. Linda Martini – “Partir Para Ficar”
  10. Rage Against The Machine – “Take The Power Back”
  11. José Mário Branco – “Eu Vi Este Povo A Lutar”
  12. Carlos Nobre – “Músicas E Políticas”
  13. Terrakota – “Ekuality Is Kuality”
  14. Zeca Afonso – “Vampiros”