Quem é Luís Filipe Castro Mendes, o novo Ministro da Cultura?


Poeta, jornalista nos tempos de juventude e, mais tarde, político. Luís Filipe Castro Mendes, actual representante de Portugal junto do Conselho da Europa em Estrasburgo, vai ser o novo Ministro da Cultura, sucedendo a João Soares no Governo de António Costa.

A informação é avançada no portal da Presidência da República, onde se lê que “o Presidente da República aceitou a proposta do Primeiro-Ministro para nomear como novo Ministro da Cultura o embaixador Luís Filipe Castro Mendes”. A tomada de posse vai decorrer na próxima quinta-feira, dia 14.

Luís Filipe Castro Mendes nasceu em 1950 em Idanha-a-Nova e, ainda muito cedo, entre 1965 e 1967, foi colaborador do jornal Diário de Lisboa-Juvenil. Em 1974, licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa e desenvolveu, a partir de 1975, uma carreira diplomática sucessivamente em Luanda, Madrid e Paris. Entre 1995 e 1997, foi chefe de gabinete do então secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Luís Amado.

A obra de Luís Filipe de Castro Mendes pode ser enquadrada numa estética pós-modernista e, segundo a biografia da Infopédia, revela um universo enigmático onde o fingimento e a sinceridade, o romântico e o clássico, a regra e o jogo levam até às realizações mais lapidares e expressivas. O Jogo de Fazer Versos. Desde Recados (1983) foi o seu livro de estreia, seguindo-se obras como Correspondência Secreta (1995), fundada sobre a invenção histórico-ficcional e sobre o exercício de paródia, Areias Escuras (1984), Seis Elegias e Outros Poemas (1985), galardoada com o prémio da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, A Ilha dos Mortos (1991), O Jogo de Fazer Versos (1994) e Outras Canções (1998).

Luís Filipe de Castro Mendes, o novo Ministro da Cultura, vai substituir João Soares, que apresentou, na sexta-feira, a demissão das suas funções no Governo, depois de ter “prometido” dar bofetadas aos cronistas Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente, do jornal Público.