Redes de metro de Lisboa e do Porto alargadas a partir de 2018


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

A estação de metro da Reboleira, inaugurada este mês em Lisboa, será a última até 2018. Só a partir desse ano, o Governo vai autorizar a expansão quer da rede de metro de Lisboa, quer a do Porto, segundo o Programa Nacional de Reformas (PNR) aprovado na última quinta-feira.

De acordo com o documento, “serão retomadas as acções de planeamento e estruturação da expansão das redes de metropolitano de Lisboa e Porto”. A programação será iniciada ainda este ano e os projectos arrancarão em 2017. A execução está marcada para 2018. O executivo prevê um investimento de 275 milhões de euros para 9 quilómetros de novos percursos, divididos pelas duas cidades, até 2020.

Recorde-se que, em 2009, foram anunciados só para Lisboa mais 29 quilómetros, um plano que nunca chegou a ver a luz do dia. Em cima da mesa, estava a transformação da linha Verde numa linha circular, com a ligação do Campo Grande à Cidade Universitária e a construção de um novo troço entre Rato e Cais do Sodré, com passagem por São Bento e Santos. Já Telheiras passaria a estar incluída na linha Vermelha, que. na Amadora, ocuparia um troço que actualmente é da linha Azul. Esta linha colocaria também o metro a passar por Campolide, Amoreiras, Estrela e Alcântara.

Anterior plano de expansão do Metro de Lisboa

Já a linha Amarela passaria, basicamente, a ser um trajecto exterior a Lisboa, com ligação a Loures e à Ramada, por exemplo. Nos percursos actuais seriam criadas pelo menos duas novas estações, uma Madrid entre Roma e Areeiro na linha Verde e outra Alfândega entre Terreiro do Paço e Santa Apolónia.

Quanto ao Porto, a segunda fase de expansão da rede da cidade está congelada há mais de cinco anos. As várias autarquias abrangidas pelo metropolitano reivindicam, cada uma, prioridades distintas. Porto e Matosinhos consideram prioritária a linha do Campo Alegre, ligando Matosinhos Sul a São Bento passando pela rotunda da Boavista. Já Gondomar considera importante a ligação Campanhã-Valbom, com Gaia à procura da expansão da linha amarela até Vila d’Este e ao Centro Hospitalar Gaia/Espinho.

Actual diagrama do Metro do Porto

“Os sistemas de transportes apresentam um nível insuficiente de intermodalidade, com excessiva dependência da ferrovia e do uso dos veículos automóveis ligeiros de passageiros, e um insuficiente desenvolvimento de outros meios de transporte”, lê-se no mesmo documento, em jeito de balanço das áreas em que é preciso haver melhorias. O sector representava, em 2014, “cerca de 75% do consumo total de petróleo e produtos de petróleo, contribuindo de forma expressiva para a manutenção dos elevados níveis de dependência energética do nosso país”.

Nesse sentido, o executivo avança algumas medidas para além do metropolitano: a instalação de 2394 postos de carregamento de veículos elétricos até 2020; a disponibilização de 6 mil bicicletas em sistemas partilhados até 2020; a renovação de 1000 táxis até 2020; e a substituição de 500 veículos de transportes públicos até 2018.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!