Salvador Sobral apresentou o seu primeiro disco no Teatro São Luiz


 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Este jovem de quem vos falamos hoje foi ao Teatro São Luiz apresentar Excuse Me, nos dias 11 e 12 de Abril, e conseguiu encher a sala das duas vezes que lá tocou.

Salvador Sobral foi um dos finalistas da 3ª edição do programa Ídolos e é também o irmão de Luísa Sobral, mas procura agora deixar a sua marca, inspirando-se principalmente em Chet Baker. Envereda agora pelo Jazz, juntando ao seu grupo nomes de peso. Um deles é Júlio Resende no piano que Salvador conheceu numa Jam Session do Hot Club e logo decidiram fazer uma versão em conjunto da música “Nem Eu”, apresentando-a ao vivo. Os outros membros são André Rosinha, um promissor contrabaixista da nova geração da escola do Hot Club, e Bruno Pedroso que, para além de mentor do jovem cantor, é também um dos melhores bateristas de Jazz portugueses.

salvadorsobraldisco_02

O concerto em si, como é expectável, teve por base o álbum Excuse Me mas também se desviou do percurso do LP. Foi o caso das músicas, “Casa Pré-Fabricada” e “Zamba Del Olvido” às quais se juntou Janeiro, seu amigo de longa data, “I Might Just Stay” que constou no dueto vocal entre Luísa e Salvador Sobral, ou então “Glow”, também com um dos seus amigos, Leo Aldrey.

Por entre vários monólogos e músicas que o público, que se encontrava sentado, tão bem conhece, Salvador não conseguiu esconder o nervosismo e a adrenalina que o percorriam, deixando-se dominar por pequenos saltos enquanto alcançava notas mais altas e pelas mãos quase sempre cruzadas num jeito peculiar.

salvadorsobraldisco_03

Merecem um enorme destaque os instrumentistas que o acompanharam. Júlio Resende com um brilhante solo em “Ready For Love”, a marcar dois pontos distintos, um com uma tonalidade melancólica a ser colmatada com um outro ponto extasiante. Bruno Pedroso já teve uma abordagem diferente, mais frenética, principalmente em “Nada Que Esperar” e “Something Real”. André Rosinha teve também o seu auge em “Nada que Esperar”. No entanto, Salvador como protagonista, teve os seus momentos de criatividade espontânea, passando por beatbox, trompete vocal e até tocou bateria, no encore enquanto interpretava “After You’ve Gone”. Também passou pelo piano, numa bonita interpretação de “Case of You” de Joni Mitchell.

Esta noite foi a prova de que Salvador Sobral para além da bonita e bem estudada voz que possui, tem em si um enorme potencial que o torna uma grande promessa nacional.

salvadorsobraldisco_04

Set list do concerto:

  1. “Change”
  2. “Nada Que Esperar”
  3. “Playing with the Wind”
  4. “Casa Pré-Fabricada e Zamba Del Olvido” (com Janeiro)
  5. “Excuse Me”
  6. “Autunn In New York”
  7. “I Might Just Stay” (com Luísa Sobral)
  8. “Ready For Love”
  9. “Nem Eu”
  10. “Something Real”
  11. “Ay Amor”
  12. “Glow” (com Leo Aldrey)
  13. “Beach Prision”
  14. “Case Of You” (encore)
  15. “After You’ve Gone”

[fotos de Raquel da Silva/Shifter]

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!