Sou chinesa, solteira e maior de 25 anos. Sou uma “sobra” na sociedade


Todos sabemos que ser rapariga na China não é fácil. Para muitas é até mesmo um “milagre”. Contudo, muito embora tenha sido mudada recentemente a política do “filho único” – que originou durante décadas a morte de muitas bebés – a pressão social para o casamento é outro drama.

“Sheng Nu” ou “Leftover Woman” são actualmente as designações para todas as mulheres com mais de 25 anos solteiras. Sim. As mulheres que sobram… os restos da sociedade… Não são vistas como independentes e livres mas sim como cidadãs que envergonham a família.

O caso é tão extremo que em Xangai existe um mercado de casamentos onde os pais de cada rapariga expõem diversos documentos sobre as mesmas de modo a tentar “vendê-las” a possíveis maridos. Ordenado, imóveis, bens materiais e habilitações literárias são aspectos assim descriminados numa espécie de perfil de rua.

Sensível a esta problemática, a marca SK-II, responsável por uma linha de beleza e cosmética decidiu juntar-se a estas vozes oprimidas criando o movimento #changedestiny. O conceito, simples de assimilar, pretende quebrar estereótipos e normas impostas pela sociedade e principalmente abolir a pressão parental.

Da campanha… nasce um vídeo onde várias raparigas chinesas e solteiras se juntam no mercado matrimonial para deixarem poderosas mensagens aos pais. “Somos felizes sozinhas e independentes. Queremos ser nós a controlar o nosso destino.”