Craig Wright diz ser o criador do Bitcoin. Será verdade?


Após as investigações feitas pela Gizmodo e pela Wired já relatados aqui, Craig Steven Wright, o alegado criador do Bitcoin, prometeu revelar-se ao mundo e ser submetido a diversos testes de modo a provar a “paternidade” da moeda. Wright reuniu-se em Londres com três meios de comunicação social de prestígio (BBC, The Economist e GQ) e juntou à entourage especialistas em bitcoins.

A bateria de testes consistiu numa demonstração através de chaves na movimentação dos primeiros bitcoins. Nesta altura, o responsável pelos mesmos era identificado como Satoshi Nakamoto, pseudónimo alegadamente gerado pelo cientista australiano. Além disto, assinou uma mensagem em formato digital com a mesma chave que terá sido usada em 2009.

Com o avolumar de notícias a indicar a autoria para o cientista australiano de 45 anos, a pressão mediática acentuou-se não só em relação ao homem do momento mas também junto de familiares e amigos. A sua casa foi alvo de buscas por parte da política australiana, contudo o propósito não estaria relacionado com o caso Bitcoin. Segundo Wright, esta “prova dos nove” serviu substancialmente para conservar a privacidade dos que o rodeiam e não para integrar a moeda no circuito mundial de pagamentos. “Algumas pessoas vão acreditar, outras não,” diz.

O encontro com os meios de comunicação já mencionados teve resultados diferentes. A BBC optou por dar o caso como encerrado, enquanto que o The Economist mostrou-se mais prudente, afirmando que serão necessários mais testes para comprovar de forma inequívoca que Craig é o fundador da moeda virtual.

Como seria de esperar, as opiniões dividem-se. Temos de um lado os que acreditam piamente que o reconhecimento do fundador está feito, enquanto outros desconfiam da veracidade dos testes feitos e alegam que são insuficientes. A revista Fortune, mostrou este conflito de posições. Criador da Fundação Bitcoin, Jon Matonis, que teve contacto com a série de testes a que Wright foi sujeito, não tem dúvidas quanto ao fundador da moeda, enquanto Ryan Lackey, especialista em criptografia não se mostra tão convencido.

Existem outros dados que foram revelados por Craig Steven Wright, nomeadamente o propósito do nome escolhido como “nickname”. Nakatomo é referente a Tominaga Nakatomo, filósofo e mercador do século XVII, que naquele século tinha uma posição contrária à economia da altura e defendia a livre circulação de produtos. Quanto ao nome Satoshi, o australiano recusou-se explicar, indicando à The Economist , que alguns dados se devem manter confidenciais.

É estimado que o cientista tenha em carteira um milhão de bitcoins, equivalente a 450 milhões de dólares, 388 milhões de euros no câmbio actual. Segundo o próprio, usará a fortuna acumulada com vista ao desenvolvimento da moeda de forma faseada, de modo a não criar efeitos negativos no equilíbrio da divisa.

O acordo firmado entre os orgãos de comunicação social e o criptógrafo prevê que só serão publicadas entrevistas ou notícias relacionadas com o encontro em Londres, depois de Craig publicar no seu blog uma das chaves (IFdyaWdodCwgaXQgaXMgbm90IHRoZSBzYW1lIGFzIGlmIEkgc2lnbiBDcmFpZyBXcmlnaHQsIFNh
dG9zaGkuCgo=) que suporta a ideia que o mesmo é o criador da moeda. Quem quiser ter acesso, basta consultar a publicação onde são dadas algumas pistas acerca da estratégia que o criador do bitcoin usou para comprovar a sua teoria.

O debate continuará, essa é uma certeza. Contudo, sabemos hoje que o protagonista já não assina como Satoshi Nakamoto.