India quer botões de emergência em todos os telemóveis para impedir violência contra as mulheres


Foi através do Twitter que Ravi Shankar Prasad, ministro das telecomunicações da India, comunicou ao mundo que a partir de 1 de Janeiro de 2017, todos os telemóveis vendidos no país vão conter um botão de emergência, denominado “Panic Button”.

Esta medida confere às mulheres a possibilidade de alertar as autoridades e/ou um familiar ou amigo, através de um simples gesto de marcação. Nos smartphones, a funcionalidade estará disponível pressionando o botão ligar/desligar três vezes, enquanto que nos restantes telemóveis bastará marcar o botão 5 ou 9. O membro do executivo anunciou ainda que todos os aparelhos móveis serão, a partir de 2018, rastreados através de GPS, facilitando a localização dos agressores e dos agredidos em caso de violência física ou sexual.

Existem já diversas aplicações disponíveis para as mulheres indianas de modo a evitar os crimes de violação cada vez mais presentes na sociedade do país. A Uber, por exemplo, reforçou a sua app com um botão SOS, depois de um caso de uma violação uma passageira por parte de um condutor da empresa. O Governo acredita que os “botões de pânico” serão mais eficazes que os botões nas aplicações, uma vez que o tempo de acção é um factor-chave na reacção das vitimas às agressões.

Além destas medidas, foi criado um número geral para chamadas de emergência. Até aqui existiam números de telefone separados para cada caso de alerta. Em alguns estados do país havia ainda linhas telefónicas específicas no combate à violência contra a mulher. A crença do Governo é clara, e há uma intenção de inversão dos acontecimentos. Contudo, não há certezas quanto a uma redução do número de casos com a ajuda destas medidas tecnológicas. Os responsáveis indianos terão de lidar ainda com o descrédito dos habitantes no sistema judicial. Esta descrença leva a que muitos casos de violência perante mulheres passem impunes e nem sejam do conhecimento das autoridades. 70% dos crimes ocorrem nas próprias casas das vitimas cometidos por conhecidos, o que torna difícil a prevenção.

A escalada de crimes contra as mulheres na Índia tem atingido números inaceitáveis. No ano de 2013, o número disparou, tendo havido mais de 60 mil crimes contra mulheres do que no ano anterior. Focalizando nos casos de violação, existiram cerca de 34 mil ocorrências em 2013, mais 9 mil do que em 2012.

Qualquer medida que possa salvar mulheres de actos cobardes e violentos são de enaltecer. O mundo agradece e espera que a tendência de violência se inverta.