Lisboa sem arte urbana não é Lisboa


O vídeo é curto e foi partilhado pela Galeria de Arte Urbana no Facebook. Remete para o MURO, festival de arte urbana que está a decorrer desde 30 de Abril e até 15 de Maio na capital. “Lisboa sem arte urbana não é Lisboa” é a mensagem principal desta pequena promoção.

O anúncio mostra obras de Vhils, Sainer e Finok em três edifícios da cidade, tapados com fotos de como esses prédios eram antes das respectivas intervenções artísticas. A mensagem é super clara e talvez isso justifique a viralidade deste vídeo no Facebook: reúne, à data deste artigo, mais de 1200 reacções e as partilhas são para cima de 500.

O MURO – Festival de Arte Urbana é a primeira iniciativa do género em Lisboa, arranca no sábado no Bairro Padre Cruz com pinturas ao vivo de cerca de 30 artistas nacionais e estrangeiros, conferências, cinema, workshops, música e animação de rua. Nas paredes do Bairro Padre Cruz – bem como noutros locais da cidade –, estão a surgir nestes dias obras de artistas como os espanhóis Aryz e Borondo, os portugueses Pariz One, Bordalo II, Mr.Dheo, Uber, Draw, Nomen, Tamara Alves e Mário Belém, o francês Mathieu Trembelin e a dupla holandesa Telmo e Miel.

A programação inclui, além das intervenções artísticas, duas exposições de fotografia, workshops de arte urbana, um peddypaper, actividades para crianças, concertos sessões de cinema. Da programação faz também parte uma conferência internacional, a decorrer nos dias 6 e 7 de Maio, no Centro Cultural de Carnide. Fora do Bairro Padre Cruz, mas ainda no âmbito do Muro, haverá intervenções, entre outros locais, na Calçada da Glória, na Rua Adriano Correia de Oliveira (na zona de Entrecampos) e no Aeroporto de Lisboa.

A Galeria de Arte Urbana (GAU) organiza o festival em parceria com a Junta de Freguesia de Carnide. O Bairro Padre Cruz foi escolhido para acolher o evento “por reunir uma série de condições urbanísticas, arquitectónicas e logísticas, bem como um diversificado tecido social e massa associativa, que se revelaram particularmente favoráveis à concretização da iniciativa”, refere a organização.