Está em marcha uma campanha para terminar com o geoblocking na União Europeia


Julia Reda, membro do Parlamento Europeu e vice-presidente do grupo parlamentar Os Verdes/Aliança Livre Europeia lançou uma campanha para terminar com o Geoblocking na União Europeia. Com esta iniciativa, a activista com forte interesse em assuntos digitais, pretende que qualquer europeu não enfrente barreiras virtuais que o impeçam de assistir a vídeos, adquirir bens ou comprar filmes. A Presidente do Partido Pirata Alemão apelida este mecanismo como o mais retrógrado, não-europeu e não-digital processo em rede.

No site, Reda apresenta cinco justificações para que o Geoblocking termine. Trata-se de uma questão discriminatória, devido ao facto de limitar o acesso cultural a 1/10 dos europeus; impede a exportação do trabalho de artistas europeus; incentiva ao uso ilegal de fontes digitais; viola os princípios da União Europeia e prejudica a economia europeia.

Também no site da campanha estão diversas afirmações de apoio por parte de organizações europeias como a Young European Federalists ou mesmo o Parlamento Europeu, sendo a própria causa apoiada pela European Language Equality Network e pela associação de startups Allied For Startups. No vídeo promocional, a própria Julia Reda explica toda questão e demonstra como é que numa Europa unida e sem fronteiras físicas persiste um enorme muro digital.

Como é que te podes juntar à causa? É muito simples. Acedes ao site, colocas o teu endereço de e-mail para estares envolvido e informado na campanha, passas a palavra a mais pessoas e utilizas as redes sociais para divulgar a iniciativa.